Cabo Verde apresenta programa da presidência da CPLP

O programa bienal da presidência de Cabo Verde da CPLP coloca foco nas pessoas, na cultura e nos oceanos. As linhas orientadoras foram conhecidas esta quarta-feira.

O documento, apresentado hoje durante a XII conferência dos chefes de Estado e de Governo, que termina esta tarde, na ilha do Sal, está alinhado com a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, que vem da presidência do Brasil, e a cooperação económica e empresarial que vem da presidência de Timor-Leste.

O programa foi apresentado pelo primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, que especifica os principais eixos da presidência, a começar pelas pessoas.

“Falar de pessoas é falar de cidadania e ela só se poderá materializar com a livre circulação. É através das pessoas que circula a cultura, o empreendedorismo, a inovação, a investigação, a ciência, o conhecimento, o turismo, e outras actividades económicas. Com a livre circulação e a mobilidade, para além de dar conteúdo a cidadania lusófona, criam-se condições para uma maior mobilidade e cultura entre nós, do conhecimento, da inovação e da economia com impactos no nosso desenvolvimento”, explica. 

O segundo eixo é a cultura. O Governo defende que a cultura deve destacar-se na CPLP como um recurso estratégico, de modo a explorar todas as suas potencialidades e orientá-las para o desenvolvimento.

Para tal, o país já definiu três pilares fundamentais.

“O primeiro pilar: uma política assertiva para a Língua Portuguesa visando o reforço do seu papel agregador no seio da CPLP, a sua promoção e difusão como património comum e o reforço da sua internacionalização". 

"Segundo pilar: criar um mercado comum das artes, da cultura e das indústrias criativas, com princípio e regras comuns, com previsibilidade e segurança nas relações”, aponta.

“O terceiro pilar – o desenvolvimento institucional – neste sentido temos que dar ao Instituto da Língua Portuguesa o enfoque que merece no que respeita à cultura e à Língua Portuguesa. Para isso é preciso assumir o ILP e assegurar as condições para a sua existência”, acrescenta. 

Em relação aos oceanos, Correia e Silva realça que a economia azul, ambiente e energias renováveis são fundamentais para e constituem uma oportunidade para aumentar o crescimento económico e suportar o desenvolvimento inclusivo e sustentável dos países da CPLP. Neste sentido, Cabo Verde já tem uma estratégia política concertada para os oceanos.

“[Uma estratégia] que contemple a gestão sustentável dos recursos, a investigação aplicada, a formação e o desenvolvimento institucional e das competências, o empreendedorismo e investimento, a prevenção da poluição marinha e a segurança marítima", enumera.

A presidência de Cabo Verde da CPLP promete ainda dar particular atenção a cooperação económica e empresarial. Aqui, a prioridade, segundo o Governo, passa pela criação de um ambiente de negócios favorável ao investimento no mercado da lusofonia, alicerçado nos acordos multilaterais entre os estados-membros para evitar a dupla tributação de rendimentos e para a protecção recíproca de investimentos.

Fonte: Expresso das Ilhas

Notícias

Cabo Verde não deve competir pelo preço com outros destinos turísticos, avisa CEO da Oásis

Projeto "Volunturismo" movimenta cerca de 30 turistas para São Vicente

Santa Cruz: Autarquia quer transformar município num destino turístico de excelência

Porto Novo recebe investimentos privados nas pescas à volta de 70 mil contos

São Vicente vai acolher missão empresarial alemã com foco nas energias renováveis