Boka Panu. Para reinterpretar o Pano Terra

Já está em preparação mais uma edição da URDI – Feira de Artesanato e Design – que o Centro Nacional de Artesanato, Arte e Design (CNAD) realiza anualmente em Mindelo. Enquadrado neste evento decorre o concurso Boka Panu que quer os criadores a repensar e a dar nova vida ao emblemático pano di terra.

A URDI, que a partir de 2016 veio substituir o FONARTES, aposta na mostra e promoção do artesanato e do design nas suas múltiplas expressões, com particular relevo para o que for “Created in Cabo Verde”.

No ano passado, a feira anual de artesanato e design de Cabo Verde já apresentara aos designers e criativos o desafio de partirem de objetos típicos do quotidiano nacional para criarem novas peças. O concurso Redesenhar o Interior de Nossas Casas teve sucesso e os protótipos produzidos foram exibidos durante o Salão de Design_Created in Cabo Verde na URIDI 2017.

Desta vez o CNAD convida os designers, artesãos, arquitetos e outros criativos a inovar a partir de um objecto específico: o pano terra. Os padrões deste objeto da panaria tradicional cabo-verdiana deverão servir de inspiração a designers, artesãos, arquitetos e outros criativos para propostas contemporâneas de design.

O concurso Boka Panu – aberto a criativos cabo-verdianos (com residência nacional ou na diáspora) e estrangeiros a residir em Cabo Verde, a pessoas coletivas ou singulares, sem qualquer limite de idade – aceita propostas originais e inéditas até 28 de setembro, sendo que cada concorrente poderá apresentar até 2 projetos, individualmente ou em grupo.

Critérios como inovação, qualidade estética e formal, sustentabilidade, desafio experimental e dimensão simbólica serão tidos em conta e a proposta deverá ainda ser exequível no âmbito da URDI 2018, de forma a cumprir uma das etapas pós-concurso.

O anúncio das propostas vencedoras – o júri irá escolher 15 – vai se fazer a 05 de outubro. De 08 desse mês a 10 de novembro é a fase da execução dos protótipos escolhidos. Estes serão exibidos no Salão de Design_Created in Cabo Verde - cuja inauguração está prevista ser a 28 de novembro, dois meses depois do encerramento do prazo de candidaturas – e passarão a integrar o espólio criativo do CNAD. Os direitos de autor serão salvaguardados, reservando ao Centro autorização para divulgação de imagens e informações referentes aos projetos artísticos. A quarta e última fase do concurso contempla a edição do Catálogo do Salão de Design_Created in Cabo Verde.

Quanto a prémios, o projeto que merecer o maior número de votos por parte do júri recebe sessenta mil escudos cabo-verdianos. Os restantes projetos selecionados terão os custos de execução assumidos na totalidade pela organização. Os mesmos serão exibidos no Salão de Design durante a URDI 2018 e vão estar representados no respetivo Catálogo.

Para ajudar na divulgação do concurso e incentivar à participação o CNAD nomeou embaixadores em algumas ilhas.

A importância do CNA
A Importância do CNA na criação de uma Identidade Visual Cabo-Verdiana é o tema do URDI 2018, que pretende relembrar a relevância do Centro Nacional de Artesanato, criado em 1977 a partir da Cooperativa Resistência lider­ada por Luísa Queirós, Manuel Figueira e Bela Duarte.

O edital de Boka Panu diz que o CNA reconheceu na panaria tradicional “valores técnicos, estéticos e simbólicos de tal maneira significativos que levaram o grupo a investigar, absorver e reinterpretar em novas obras os elementos gráficos deste fazer ancestral”. Um trabalho que caracteriza como persistente e pertinente e que terá contribuído para que se conhecesse melhor a história de Cabo Verde.

Pano de Obra, pano tchã e pano bitcho
Estes três tipos de panos diferenciam-se por determinadas características, nomeadamente a posição dos padrões e, no caso do pano tchã pela ausência de padrão. O tecido manufaturado a partir de teares artesanais já serviu como moeda no passado, séculos XVI e XVII, sobretudo no comércio com a costa de África.

Tradicionalmente fabricado em preto e branco e sobretudo nas ilhas de Santiago e Fogo, este pano de algodão tinha maior presença no meio rural onde era usado pelas mulheres, amarrado à volta da cintura. Algo que depois viria a ser recriado pelos grupos de batuque. Nos dias de hoje já raras vezes é o pano de terra o que as bailarinas de batuco amarram à cintura, tendo em conta que este se tornou num item de moda.

Fabricado em diversas cores, mas mantendo os padrões tradicionais o pano terra passou a ser incluído em peças de vestuário, bolsas, bonés, sapatos e itens de decoração, tornando-se uma marca, um símbolo nacional.

Com o concurso Boka Panu o CNAD espera projetos que reflitam sobre o percurso da panaria cabo-verdiana e o seu manancial temático e criativo por forma a desenvolver propostas de design “que explorem não só a releitura dos padrões como a imensidão de possibilidades estética, formal e simbólica oferecidas por este legado”. Ou seja, partir dessa matriz tradicional para criar, tecer, redesenhar e propor novas abordagens.

Fonte: Expresso das Ilhas

Notícias

Cabo Verde não deve competir pelo preço com outros destinos turísticos, avisa CEO da Oásis

Projeto "Volunturismo" movimenta cerca de 30 turistas para São Vicente

Santa Cruz: Autarquia quer transformar município num destino turístico de excelência

Porto Novo recebe investimentos privados nas pescas à volta de 70 mil contos

São Vicente vai acolher missão empresarial alemã com foco nas energias renováveis