São Nicolau: Imagem de Carbeirinho não tem sido muito bem explorada, segundo investigador

O investigador José Cabral considerou hoje que a imagem da falésia de Carbeirinho, uma das 7 Maravilhas Naturais de Cabo Verde, na ilha de São Nicolau, não tem sido muito bem explorada

Em entrevista à Imprensa, em Tarrafal de São Nicolau, Cabral disse que o produto turístico Carbeirinho tem sido “reduzido” somente às falésias e, explicou que, somente 10% da imagem da região está sendo vendida turisticamente.

Segundo Cabral, do interesse histórico, científico, cultural e o papel imaginário que compreende toda esta região e de interesse para os visitantes “ninguém se fala” disse.

“Nós estamos a reduzir Carbeirinho somente a esta falésia, sendo assim não é uma maravilha”, lamentou.

“Temos rochas bonitas idênticas em Cabo Verde com igual ou maior potencialidade”, disse.

O investigador recordou que esteve envolvido no processo de escolha para fundamentar Carbeirinho como uma das “7 Maravilhas de Cabo Verde” e, neste processo, a região preencheu todos os requisitos.

Os aspetos que pesaram significativamente para a sua escolha, indicou, foram a beleza cénica, a história, o papel imaginário inserido na população local, o interesse científico, o potencial de inserção no circuito turístico nacional e a acessibilidade.

Entretanto, “apenas a beleza cénica tem sido explorada” sublinhou, mas, lembrou que, toda a região preenche um potencial para o ecoturismo, turismo cultural, de cetáceos e de mergulho.

Segundo Cabral, bem perto de Carbeirinho existe a Baía de Angola “que poucos conhecem”, uma floresta localizada bem ao lado da aridez da paisagem com precipitação oculta, um vulcão extinto, uma praia para desova de tartaruga, uma gruta, que serve de berçário para peixes, que há cem anos pescadores de Santo Antão utilizavam-na para dormir e secar peixe, uma enseada que serve de zona de alimentação para a tartaruga verde.

De acordo com Cabral, reunindo todos estes aspetos em torno de Carbeirinho é o que contribui para a beleza cénica do local.

Considerou ainda os aspetos histórico-culturais, indicando a Praia Branca, terra natal de Paulino Vieira, musico-compositor de “Um cria ser poeta”, de Zeferino Armando, compositor da morna “Sodade”, bem como as festas de São João, e precisou que para fazer a “Lumnara” colhia-se, nesta região, a planta marcela.

Lembrou também que, nesta região, acontece a Virada, uma tradição de há 500 anos de soltar animais para matança e conservação da carne que se manteve “intacta” em São Nicolau desde a chegada dos Portugueses a Cabo Verde até os dias de hoje.

O investigador José Cabral defende a exploração com a integração de todo o potencial turístico que a imagem de Carbeirinho oferece para que seja vendido “como deve ser” para incrementar o turismo em São Nicolau.

Fonte: Sapo CV

Notícias

Hotel e Casino da Praia concluídos até ao final de 2020

​Fogo acolhe em Novembro a 10ª Reunião de ministros do Turismo da CPLP

Uni-CV promove debate sobre oportunidades de negócios no âmbito da Economia Azul, turismo e energia