Ministério da Cultura realiza 1º Fórum Nacional de Editores e Livreiros de Cabo Verde

Tem como objectivo discutir a situação da literatura cabo-verdiana nos seus vários moldes e formatos que melhor se adeqúem à identificação de maior público.

O Ministério da Cultura e das Indústrias Criativas (MCIC), através da Biblioteca Nacional de Cabo Verde (BNCV), realiza, esta quarta-feira, 13, o I Fórum Nacional de Editores e Livreiros de Cabo Verde. O evento, que vai decorrer das 09 às 13H00, na sala de conferência da BNCV, enquadra-se no âmbito da promoção dos autores cabo-verdianos.

De acordo com uma nota do MCIC, este fórum de especialistas nas áreas editoriais e livreiros tem como objectivo discutir a situação da literatura cabo-verdiana nos seus vários moldes e formatos que melhor se adequem à identificação de maior público.

São oradores deste evento o ex-Curador da BNCV e editor Joaquim Morais, a responsável da Edições Artiletra, Larissa Rodrigues, responsável da Livraria Pedro Cardoso, Luísa Lobo da Tipografia Santos, a Diretora Nacional da Educação, Sofia Figueiredo, Augusta Évora da Edições Uni-CV, Hailton Alfama do Instituto de Gestão e Qualidade da Propriedade Intelectual e um representante da Sociedade Cabo-verdiana de Autor (SOCA).

Vão estar em discussão “As edições em Cabo Verde x internacionalização da literatura cabo-verdiana”, “Desafio das editoras x dinamização do mercado gráfico de cabo verde e as Tecnologias de Informação e Comunicação”, “Plano Nacional de Leitura cabo-verdiana e o plano curricular” e ainda “Regulação do mercado literário e gráfico x garantia dos diretos de autor e propriedade intelectual”.

Fonte: A Nação

Notícias

Mensagem da AAVTCV desperta interesse e curiosidade aos operadores e empresários russos por Cabo Verde

África e a quarta revolução industrial

Verbas para instalação do Instituto de Ciências e Tecnologias Agrárias alocadas no OE para 2020

Ilha do Sal: Festival da Praia de Santa Maria vai decorrer sob o lema “Morna a património da humanidade”

Santo Antão: Portal sobre o ecoturismo na ilha já está disponível em três línguas