São Vicente: No ano da construção do terminal de cruzeiros País recebe mais de uma centena de escalas

O navio de cruzeiro Aidacara é o primeiro do setor a atracar nos portos de Cabo Verde, em 2019, com chegada prevista ao Porto da Praia este sábado, num movimento que trará aos diversos portos 112 navios.

Geralmente, a temporada deste tipo de embarcação ocorre entre Outubro e Abril e, por exemplo, o navio que atraca sábado, 5, no Porto da Praia, foi construído em 1996, pertence à companhia Aida Cruises, tem 193 metros de comprimento e capacidade para transportar 1.186 passageiros.

No ano em que devem arrancar as obras de construção do terminal de cruzeiros do Mindelo, os dados provisórios da escala de cruzeiros divulgados pela Enapor – Portos de Cabo Verde indicam ainda que o último navio previsto no mesmo período é o Artania, justamente no dia 31 de Dezembro, com escala prevista no Porto Grande do Mindelo.

Ao longo do ano que agora começa, a Enapor aponta que, para além do Porto Grande (São Vicente) e do Porto da Praia (Santiago), diversos portos do arquipélago devem receber escalas desses navios, entre eles Furna (Brava), Porto Novo (Santo Antão), Vale dos Cavaleiros (Fogo), Tarrafal (São Nicolau), Sal-Rei (Boa Vista), Palmeira (Sal) e Porto Inglês (Maio).

A Enapor estabelece ainda que, atualmente, só em São Vicente, os navios de cruzeiros “deixam mais de 4 milhões de euros/ano”, e que os turistas gastam entre 30 a 40 euros por pessoa, com uma margem de progressão “muito favorável” por se tratar de um negócio que “cresce todos os anos” a nível mundial.

Daí, de acordo com a mesma fonte, a importância da construção do terminal de cruzeiros projetado para o Porto Grande de São Vicente, cujas obras arrancam este ano.

Em Agosto passado, a empresa lançou concurso para contratação de consultoria e assistência técnica para gestão do projeto e fiscalização das obras de construção e manutenção do terminal de cruzeiros de São Vicente.

Um mês antes, a 15 de Julho, o Governo e o Fundo Orio, da Holanda, rubricaram o acordo de donativo, a fundo perdido, no montante de 10 milhões de euros, para a construção do terminal de cruzeiros, orçado na globalidade em 29 milhões de euros.

Desse montante, 16 milhões correspondem ao financiamento já garantido pela OFID, uma instituição de financiamento ao desenvolvimento criada para promover o progresso social e económico no mundo, cujo acordo foi rubricado, em Washington, no mês de Abril, sendo que o restante financiamento corresponde à contrapartida nacional.

Assim, “numa perspetiva realista”, segundo o presidente do conselho de administração da Enapor, Jorge Maurício, as obras de construção do terminal de cruzeiros projectado para São Vicente devem arrancar em 2019.

O projeto já é tido como “muito importante” para a economia de Cabo Verde, no entendimento do Governo, pois o mesmo vai ser, “naturalmente”, uma zona de expansão do Porto Grande, neste momento “bastante congestionado” com a atividade da pesca e de movimentação da carga convencional, entre outros fatores.

O terminal de cruzeiros projetado para o Porto Grande de São Vicente terá dois berços de 400 e 350/300 metros, respetivamente, uma profundidade máxima de 11 metros, e será servida por uma gare marítima para passageiros, uma vila turística junto à marginal que vai ter lojas, free-shops, restaurantes, bares, pequenos museus e souvenir.

Fonte: Sapo CV

Notícias

Cabo Verde não deve competir pelo preço com outros destinos turísticos, avisa CEO da Oásis

Projeto "Volunturismo" movimenta cerca de 30 turistas para São Vicente

Santa Cruz: Autarquia quer transformar município num destino turístico de excelência

Porto Novo recebe investimentos privados nas pescas à volta de 70 mil contos

São Vicente vai acolher missão empresarial alemã com foco nas energias renováveis