São Vicente: Garoupas derivadas de pesca sustentável já estão a ser comercializadas em Mindelo

Algumas garoupas capturadas através da pesca sustentável em Santa Luzia já estão a ser comercializadas e disponibilizadas por restaurantes na ilha de São Vicente e com “bons resultados”, assegurou a assistente deste projecto implementado pela Biosfera 1.

Segundo Jéssica Matos avançou à Inforpress, a Biosfera 1 tem tido “bons resultados” com este projecto, que pretende ser uma forma de valorização do recurso pesqueiro, tendo como alvo comunidades que utilizam a reserva de Santa Luzia como terreno de pesca.

O projecto de pesca sustentável, segundo a mesma fonte, começou a ser implementado em meados de Setembro e desde início de Outubro iniciou-se a comercialização das garoupas, que já podem ser encontradas no mercado de peixe da cidade do Mindelo e com “muito boa aceitação” por parte dos restaurantes da ilha.

“Tem havido uma boa adesão, porque tanto os pescadores, como os donos dos restaurantes já viram que há muitas vantagens em comercializar este produto. Viram que os turistas, principalmente, estão muito voltados para produtos mais sustentáveis e amigos do ambiente”, salientou.

A associação ambiental está a trabalhar, nesta primeira fase, com seis embarcações da comunidade piscatória de Salamansa, que até o momento só capturam garoupas através do método tradicional, com linha e anzol.

Mas, conforme a mesma fonte, contam nos próximos tempos procurar outras espécies de peixes e ainda trabalhar com outras comunidades da ilha.

“Tudo vai depender dos resultados que obtivermos”, assinalou Jéssica Matos, adiantando que pretendem tornar o ciclo de comercialização deste produto autónomo dentro de 14 meses.

Entretanto, até ao momento o processo tem sido totalmente controlado pela Biosfera 1, desde o processo de captura com os barcos, que, ajuntou, só devem pescar com isca e anzol, depois na chegada das embarcações na localidade de Salamansa, onde são feitas as inspecções quanto a conservação do pescado e o próprio tamanho do peixe capturado que deve ter acima dos 27 centímetros.

Esta fiscalização é feita, segunda a assistente do projecto, também na chegada do pescado no mercado de peixe, com nova medição e seguida dos contactos com os restaurantes para a compra do produto.

“Paralelamente, estamos a fazer uma campanha de comunicação com cartazes e réguas em formas de garoupa no mercado e ainda com brochuras e `roll up´ nos restaurantes para informar do projecto e também sensibilizar as pessoas”, explicou Jéssica Matos.

E desta forma, conforme o presidente da Biosfera 1 avançara à Inforpress, conta-se promover a “pesca responsável e sustentável”, trabalhando pela “via do contágio”.

Fonte: Economia

Notícias

Cabo Verde lança isenções fiscais para tentar captar investimento de emigrantes

Governo e Câmaras de Comércio oficializam transferência de competências

​FIC 2019 em “casa apertada” no adeus à Laginha

Operadores registam aumento de turistas com o Programa Cabo Verde Stopover