Sal – Hotel Djadsal em Santa Maria vai ser demolido para novo Hotel de luxo

Do apocalipse ao renascimento da Fénix é o que se poderia dizer do Hotel Djadsal Holiday Club que estava abandonado, degredado e usado como habitação clandestina que agora foi comprado por um grupo de investidores.

Longe dos seus tempos áureos o Hotel Djadsal está fechado desde Outubro de 2010 e sem perspetivas de reabertura tendo-se tornado num enorme edifício abandonado e degradado e de aspeto sombrio.
Situado na Avenida dos Hotéis em Santa Maria e bem de frente para o mar, está ensanduichado entre o Hotel Belo horizonte e do futuro Hotel Hilton e o esperado Casino, o primeiro em Cabo Verde.
O Hotel Djadsal era peça fora do baralho prejudicando a imagem destas unidades hoteleiras e de toda a área circundante por onde circulam a maioria dos estrangeiros que passam pelo Sal.

Mas, qual Fénix que renasce das cinzas, toda aquela imagem de abandono e degradação está em vias de acabar por via da recente compra do espaço por um grupo de investidores que adquiriram agora todo aquele espaço para, depois de o demolir, construir uma nova unidade Hoteleira.
O novo hotel terá a classificação de cinco estrelas e irá ter acabamentos de luxo não se prevendo que venha a ser utilizado o esquema de all inclusive.
Os novos donos do Hotel Djadsal, que ainda não o renomearam, são o atual dono do Hotel Hilton, Jacques Monnier e o seu parceiro financeiro Pierre Bastid que têm um ambicioso projeto para aquele tão bem localizado espaço.
Recorde-se que o hotel Djadsal abriu em 1996, tendo sido construído pelo empresário italiano Andrea Stefanina, que o vendeu mais tarde ao empresário José Luís Santos do Mindel Hotel.

Notícias

Associações açorianas vão celebrar protocolo “pioneiro” de cooperação com Cabo Verde

Fundação Maio Biodiversidade faz “balanço positivo” da campanha de protecção das tartarugas marinhas

Turismo de Cruzeiro: Santo Antão afirma-se no segmento de mercado dos navios de médio e pequeno porte

Governo lança obras de reabilitação das duas casas de Eugénio Tavares na Ilha da Brava

“Até hoje faltou um organismo capaz de dialogar com os empresários do sector turístico”