Quem comprar a TACV assume a gestão por, pelo menos, 5 anos

Venda de acções da Cabo Verde Airlines será feita em três blocos distintos. 51% para o parceiro estratégico, 39% para parceiros institucionais e 10% para trabalhadores da empresa e emigrantes de nacionalidade cabo-verdiana.

O governo anunciou ontem, num comunicado, que a “Unidade de Acompanhamento do Sector Empresarial do Estado (UASE) já recebeu aproximadamente 20 manifestações de interesse espontâneas de empresários e empresa nacionais, mas também de investidores estrangeiros, alguns deles com grandes investimentos já realizados no país” para a entrada no capital da companhia aérea nacional.

Quanto aos trabalhadores e emigrantes, conforme esclarece o governo, é-lhes reservado “um bloco de 10% das acções, podendo beneficiar de um desconto de 15% do preço por acção. Esse direito de aquisição conferido aos trabalhadores e emigrantes deve ser exercido no prazo máximo de 30 (trinta) e 60 (sessenta) dias, respectivamente, a contar da data de início da operação de venda das acções, sob pena de caducidade desse direito. Caso não tenham interesse, após o prazo acima mencionado, as acções sobrantes poderão ser vendidas pelo Estado aos investidores ou ao parceiro estratégico, nos termos no DL” que regulamenta o processo de privatização.

Já o parceiro estratégico, como é sabido, tem direito a 51% do capital da empresa. Uma percentagem que será vendida directamente a “uma sociedade comercial com experiência relevante no transporte aéreo internacional de passageiros, conjugado com a experiência técnica e de gestão no sector da aviação, idoneidade e capacidade financeira, de acordo com os objectivos estratégicos fixados no processo de privatização dos TACV, S.A.”

Ou seja, segundo explica o governo, um investidor “que não possua “experiência relevante no transporte aéreo internacional de passageiros” conjugada com “experiência técnica e de gestão no sector da aviação”, não poderá adquirir o bloco de 51% das acções da companhia, pelo que, não poderá nunca exercer o controlo de gestão da companhia e, as acções que ele vier a adquirir por venda directa não poderão ser vendidas a outro parceiro estratégico, de forma automática, por um prazo mínimo de 5 (cinco) e máximo de 10 (dez) anos”.

Fonte: Expresso das Ilhas

Notícias

Associações açorianas vão celebrar protocolo “pioneiro” de cooperação com Cabo Verde

Fundação Maio Biodiversidade faz “balanço positivo” da campanha de protecção das tartarugas marinhas

Turismo de Cruzeiro: Santo Antão afirma-se no segmento de mercado dos navios de médio e pequeno porte

Governo lança obras de reabilitação das duas casas de Eugénio Tavares na Ilha da Brava

“Até hoje faltou um organismo capaz de dialogar com os empresários do sector turístico”