Primeiro ATR para ligações inter-ilhas da Cabo Verde Airlines já está na Praia

Chegou terça-feira a Cabo Verde o primeiro ATR da Cabo Verde Airlines, para as ligações inter-ilhas, de serviço ao hub do Sal. Seguem-se os procedimentos burocráticos, antes do reinicio da operação doméstica.

A notícia foi confirmada, no Parlamento, pelo deputado Miguel Monteiro, durante o debate do Estado da Nação.

"Um dos ATR chegou ontem", disse o parlamentar.
Parado na placa do Aeroporto Internacional Nelson Mandela, o ATR 42-320 (matrícula CS-DVO) é propriedade da portuguesa Lease Fly e chega a Cabo Verde em regime de leasing. A aeronave entrou ao serviço em 1994.

A reentrada da Cabo Verde Airlines (antiga TACV) no mercado doméstico estava em cima da mesa há vários meses.

A 16 de Julho, o secretário-geral do MpD tinha prometido “novidades a breve trecho”.
Antes, em Junho, o deputado João Gomes (MpD) avançava que “a Cabo Verde Airlines [estava] na disposição de colocar em Cabo Verde dois ATR para as ligações internas, numa base de complementaridade ao hub na ilha do Sal”.

No início do ano, em Março, o diretor-geral da companhia, Mário Chaves, ao reafirmar o foco no hub, havia mesmo realçado a necessidade de alimentar o Sal com passageiros do mercado nacional. O plano inicial passava por uma articulação com a Binter, mas em carteira estava, como alternativa, a operação de voos próprios.

“Estamos a trabalhar com parcerias, mas não podemos esconder que precisamos de ter opções para garantir esse serviço”, dizia, na altura.

Num modelo diferente àquele que mantinha até 2017, o regresso da Cabo Verde Airlines no mercado inter-ilhas marca uma alteração da estratégia definida pelo governo, e apresentada a 23 de Maio de 2017, quando o então ministro da Economia (agora dos Transportes), José Gonçalves, anunciou o fim da operação doméstica da TACV, então de capitais maioritariamente públicos.

Na altura, o governante esclareceu que a Binter Cabo Verde, ao assumir o papel monopolista do mercado interno, ficava obrigada a reforçar as ligações inter-ilhas e a estabelecer uma parceria com a TACV "em termos de transporte aéreo internacional, por forma a permitir à companhia de bandeira continuar a vender os bilhetes internacionais até ao seu destino aeroportuário final em Cabo Verde". Contudo, essa parceria nunca existiu, motivando críticas de diferentes quadrantes e insatisfação por parte dos passageiros residentes.

A privatização da transportadora aérea nacional foi concluída 1 de Março, com a assinatura do contrato entre o Estado e a Loftleidir Cabo Verde, subsidiária da Loftleidir Icelandic.

O reforço da frota e a abertura de novas rotas tem marcado os primeiros meses da empresa, nesta sua nova fase.

Fonte: Expresso das Ilhas

Notícias

Associações açorianas vão celebrar protocolo “pioneiro” de cooperação com Cabo Verde

Fundação Maio Biodiversidade faz “balanço positivo” da campanha de protecção das tartarugas marinhas

Turismo de Cruzeiro: Santo Antão afirma-se no segmento de mercado dos navios de médio e pequeno porte

Governo lança obras de reabilitação das duas casas de Eugénio Tavares na Ilha da Brava

“Até hoje faltou um organismo capaz de dialogar com os empresários do sector turístico”