Maio: Inclusão da Ilha à Rede Mundial de Reservas da Biosfera da UNESCO vai trazer grandes ganhos para ilha — Edil

Os maienses aguardam com uma certa “ansiedade” a inclusão da ilha na rede dos sítios considerados como Reserva da Biosfera da UNESCO, após ter entregado a sua candidatura junto ao “Programa Homem e a Biosfera”, em Setembro.

Para organizar este dossiê, foram realizadas várias sessões de socialização e recolha de subsídios, durante as quais, o consultor daquela organização António Abreu assegurou que a ilha do Maio reúne todas as condições para fazer parte da Reserva da Biosfera da Organização das Nações para Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), tanto pela sua dimensão, como pela sua qualidade e natureza, para além de fazer parte da Macaronésia

Segundo o edil maiense Miguel Rosa, o ano de 2019 vai ser de “grandes ganhos” para ilha e um desses ganhos poderá ser a distinção desta parte do território como sendo Reserva da Biosfera.

Se o Maio conseguir este feito, na opinião do autarca, pode trazer para ilha várias vantagens, desde reconhecimento internacional, dos recursos endógenos, bem como no desenvolvimento do sector do turismo, oferecendo um produto diferenciado e de qualidade em relação aos demais destinos turísticos.

“Vai trazer não só vantagens na preservação, conservação da nossa biodiversidade, mas também na questão social e toda a biodiversidade para beneficiar directamente as pessoas”, sublinhou, acrescentando que “nós acreditamos que foram reunidas todas as condições e já brevemente vamos ter boas novas em relação a este aspecto, que vai valorizar a ilha”.

Defendeu ainda que, a nível da conservação, vai despertar uma atenção e “atracção especial”, tanto das organizações, de turistas e investigadores quer por conhecimento quer pela investigação, e, acima de tudo, vai permitir as ONG e as entidades estatais com responsabilidade neste sector conseguirem apoio na gestão dos recursos naturais.

O Programa ‘” Homem e a Biosfera” é um programa científico intergovernamental estabelecido pela UNESCO no início dos anos de 1970, com o objectivo de melhorar a interacção entre pessoas e o ambiente natural em que vivem, em escala mundial.

As reservas da biosfera são locais para aprendizagem sobre desenvolvimento sustentável, que visam conciliar a conservação da biodiversidade com o uso sustentável de recursos naturais.

De referir que todos os documentos foram preparados para serem entregues no passado mês de Setembro e os resultados vão ser conhecidos este ano.

Fonte: InforPress

Notícias

Próxima etapa de Cabo Verde é atingir o patamar da economia de rendimento médio e médio alto – ministro

Universidade Técnica do Atlântico já é realidade