Maio: FMB regista mais de 100 ninhos de tartaruga e perspectiva boa campanha de protecção

O responsável da patrulha de protecção das tartarugas marinhas na Fundação Maio Biodiversidade (FMB) disse que já registaram até ao momento mais de 100 ninhos e que preveem superar os números dos anos anteriores.

Leno dos Passos indicou que desde o início da campanha que arrancou no dia 30 de Junho, até agora, a FMB através das suas equipas espalhadas por todas as localidades e praias da ilha, já conseguiram registar cerca de cento e tal ninhos de tartarugas.

Segundo disse, embora esteja satisfeito com esse indicador que está de acordo com os parâmetros das previsões, que poderão até superar as expectativas, tem a lamentar contudo uma certa desilusão com o que está acontecer na localidade de Morro.

Conforme explicou, nos últimos quatro anos, Morro tinha sido considerado uma zona modelo onde nenhuma tartaruga era capturada, mas infelizmente este ano “quebraram essa fidelidade”, porquanto já foi detetado que uma tartaruga foi caçada neste povoado.

"Infelizmente já registámos duas apanhas, sendo uma na localidade de Morro onde havia já 4 anos que não se registava esse tipo de comportamento, mas lamentavelmente, este ano os jovens regressaram às apanhas de tartarugas e, sem nenhuma explicação plausível manifestaram também um certo espírito de revolta, afirmando piamente já apanharam e que vão voltar a fazê-lo de novo”.

Essa atitude deixou-nos um pouco tristes, mas estamos a tentar conversar com eles e procurar saber a razão de tudo isto, realçou.

Leno dos Passos disse ainda que a FMB tem uma equipa no Morro a garantir o patrulhamento, assim como a trabalhar com junto da comunidade local por forma a tentar dialogar e mostrar os jovens de que estão a agir deforma menos correcta em relação à protecção desta espécie que se encontra em risco de extinção, ao mesmo tempo que estão a pôr em causa o bom nome daquela localidade que era considerada modelo na ilha e a nível nacional.

De todo modo, este responsável da FMB indicou que apesar destes dois casos que aconteceram, um na localidade de Morro e a outro na vila de Barreiro, isso não vai atrapalhar no sucesso que esperam conseguir com a campanha deste ano.

Revelou também que a Fundação Maio Biodiversidade tem constatado até este momento, que tem havido menos pressão nas praias por parte dos apanhadores, pelo que esperaram atingir a meta estabelecida para este ano, isto é, registar menos apanha e mais ninhos em relação aos dois anos anteriores.

"A única zona onde não tínhamos conseguido colocar uma equipa efectiva era a localidade de Figueira, onde havia uma taxa elevada de consumo da carne de tartaruga, mas este ano já conseguimos colocar uma equipa que, para além de vigiar as praias, também está a trabalhar na parte de sensibilização das pessoas daquele povoado, por forma a mudarem este hábito", frisou.

Lembrou também que até o momento estão a contar com apenas três voluntários internacionais, mas que ainda no decurso desta semana vão chegar mais e que esperam ao longo da campanha poder contar com um número superior ao do ano passado.

Entretanto, avançou que vão continuar com o viveiro de filhotes de tartaruga criado na localidade Morro, onde estão a ser colocados os ovos recolhidos naquela praia.

O responsável da FMB lembrou também que, à semelhança dos anos anteriores esperam poder contar com a colaboração da CV Telecom e outros parceiros habituais, visto que é um ano em precisam de muito apoio, porque perspectivam ser um ano intenso com muitas tartarugas a procurarem as praias da ilha do Maio.

Fonte: Inforpress

Notícias

Dia Nacional da Cultura comemorado sob o lema “eu_génio: do legado à ficção”

Governo prevê funcionamento da Universidade Técnica do Atlântico em 2020/2021

Santiago Norte: Municípios juntam-se ao MCIC para homenagear a Morna no Dia Nacional da Cultura e Comunidades

São Nicolau: Projecto Caminhar inicia acção de capacitação em acompanhantes de “trekking”

Cabo Verde não deve competir pelo preço com outros destinos turísticos, avisa CEO da Oásis