Maio: Ambientalistas preocupados com impacto ambiental adveniente da requalificação do porto

Os ambientalistas na ilha do Maio dizem-se preocupados com a monitorização do impacto ambiental da requalificação do porto, quando falta praticamente um mês para o arranque das obras, de acordo com a previsão do Governo.

A preocupação foi levantada na apresentação dos resultados atingidos pelo projeto MAVA no ano 2018, na ilha, durante a qual os participantes manifestaram as suas inquietações no que tange a falta de informações sobre a monitorização do impacto ambiental das obras, sendo o mês de Maio a data prevista para o arranque dos trabalhos.

Em declarações, a diretora da Fundação Maio Biodiversidade FMB), Rocio Moreno Carrillo, assegurou que a preocupação é tanto a nível ambiental como social, visto que as obras vão decorrer nas imediações da Salina do Porto Inglês, uma reserva natural e que também faz parte de Ramsar, onde existem várias espécies muito sensíveis como aves e répteis.

“Estamos todos preocupados, porque parece que não vai ser publicado o concurso de monitorização do impacto ambiental. Além disso, temos uma reserva ao lado que é a Salina e depois está prevista a entrada em funcionamento do centro interpretativo em Agosto. Agora pergunto se os turistas vão ali visitar, quando estão a trabalhar cerca 300 pessoas no porto e nada ainda está claro como vai ser”, questionou.

Por esta razão, Rocio Carrillo defendeu que é preciso também lançar o concurso para a empresa que vai fazer a monitorização do impacto ambiental, durante a execução das obras, tendo em conta que, segundo ela, o financiador exigiu que sejam respeitadas as leis ambientais.

Além disso, questiona o porquê deste atraso na divulgação do nome da empresa vencedora da empreitada, quando falta apenas um mês para o arranque das obras, conforme as previsões do Governo.

A representante da FMB lembrou ainda que as obras vão decorrer numa praia onde todos os anos se regista alguma desova de tartaruga e também colocam viveiros dos ninhos.

“Vai haver um impacto muito grande naquela praia, porque vão trabalhar naquela obra cerca de 300 pessoas, além disso é preciso saber o impacto nas correntezas e na fauna existente naquela baía”, observou Rocio Carrillo.

A mesma preocupação é extensiva a questão social, visto que a ambientalista acredita que os trabalhos vão exigir o recrutamento de mão-de-obra de outras ilhas e até do exterior, e estes vão precisar de moradias para se residirem, o que vai acarretar mais produção de lixo.

“Não queremos ver o mesmo que aconteceu na ilha da Boa Vista com a construção de barracas”, advertiu.

Até então a Enapor – Portos de Cabo Verde não divulgou as informações referentes ao vencedor do concurso lançado no passado mês Novembro.

Fonte: Sapo CV

Notícias

Governo lança obras de reabilitação das duas casas de Eugénio Tavares na Ilha da Brava

“Até hoje faltou um organismo capaz de dialogar com os empresários do sector turístico”

Dia Nacional da Cultura comemorado sob o lema “eu_génio: do legado à ficção”

Governo prevê funcionamento da Universidade Técnica do Atlântico em 2020/2021

Santiago Norte: Municípios juntam-se ao MCIC para homenagear a Morna no Dia Nacional da Cultura e Comunidades