Lei de gestão dos resíduos sólidos ja vigora em Cabo Verde

A lei que assegura o enquadramento da política de gestão dos resíduos sólidos e define a sua linha orientadora global, visando a defesa ambiental e a saúde humana, entra em vigor esta terça-feira, 21, em Cabo Verde, apurou a PANA de fonte segura.

A legislação que aprova o Plano Estratégico Nacional de Gestão de Resíduos (PENGER), a vigorar no horizonte temporal 2015-2030, propõe-se “identificar interlocutores, práticas, tecnologias, locais, métodos de recolha e gestão, como forma de encontrar as melhores soluções disponíveis, do ponto de vista legal, técnico, ambiental e social, para a gestão dos resíduos sólidos em Cabo Verde”.

A mesma tem também por objetivo “proteger o ambiente e a saúde humana, prevenindo ou reduzindo os impactos adversos decorrentes da geração e gestão de resíduos, diminuindo os impactos gerais da utilização dos recursos e melhorando a eficiência dessa utilização”.

Com a sua aprovação em abril último, as autoridades cabo-verdianas esperam ainda garantir a eficácia de uma política nacional de resíduos, com uma perspetiva sistémica de diversos aspectos ligados a esta matéria, com foco na produção e gestão de resíduos urbanos.

É neste sentido que o PENGeR tem em consideração, também, outras tipologias de resíduos, nomeadamente as associadas ao setor empresarial e aos  cuidados de saúde (resíduos hospitalares), preconizando, desta forma, uma mudança do paradigma atual em matéria de resíduos.

A ideia é fazer a ligação entre a prevenção e a gestão destes produtos, como forma de dar a continuidade ao ciclo de vida dos materiais, constituindo um passo essencial para desenvolver materiais e energias úteis à economia.

Nesta perspetiva, a legislação impõe a obrigação de um planeamento integrado da gestão dos resíduos, através da definição de políticas nacionais e municipais, “adaptado às caraterísticas próprias e especificidades impostas pela insularidade, dispersão territorial e caraterísticas e custos do sistema de transporte entre ilhas, tendo por objectivo a prossecução da sustentabilidade ambiental”.

O plano estratégico que entra agora em vigor estabelece igualmente a constituição de uma rede integrada e adequada de instalações de armazenagem, triagem, tratamento, valorização e eliminação de todo o tipo de resíduos, tendo em conta as “melhores técnicas disponíveis com custos economicamente sustentáveis”.

Embora o Plano Estratégico Nacional de Gestão de Resíduos tenha um horizonte temporal de 15 anos, a lei prevê que, sem prejuízo das alterações ou das medidas de correcção que venham a ser consideradas necessárias a introduzir durante a respetiva execução, o mesmo deve ser globalmente reavaliado e ser objeto de revisão de cinco em cinco anos.

Fonte: Panapress

Notícias

Associações açorianas vão celebrar protocolo “pioneiro” de cooperação com Cabo Verde

Fundação Maio Biodiversidade faz “balanço positivo” da campanha de protecção das tartarugas marinhas

Turismo de Cruzeiro: Santo Antão afirma-se no segmento de mercado dos navios de médio e pequeno porte

Governo lança obras de reabilitação das duas casas de Eugénio Tavares na Ilha da Brava

“Até hoje faltou um organismo capaz de dialogar com os empresários do sector turístico”