Japão financia com 2,4 milhões de euros valorização agrícola nas barragens em Cabo Verde

O Governo do Japão financia com 264 milhões de escudos cabo-verdianos (cerca de 2,4 milhões de euros) o projeto de valorização agrícola nas zonas de influência das barragens nas ilhas de Santo Antão, São Nicolau e Santiago no arquipélago de Cabo Verde, apurou a PANA segunda-feira, na cidade da Praia.

Trata-se de um projeto que visa aumentar a produção agrícola nas áreas beneficiadas de modo a contribuir para a segurança alimentar e lutar contra a pobreza rural, através da construção da rede de abastecimento e de distribuição de água das barragens e de outras infraestruturas nas referidas ilhas.

De acordo com a agência cabo-verdiana de notícias (Inforpress), o projeto, que deverá arrancar logo depois da tomada de posse do novo Governo, previsto para 22 de do mês em curso, será  executado em oito meses e beneficiará diretamente 3.040 agricultores e 9.120 indiretamente.

Com essas intervenções, será possível aumentar a área irrigada com recurso a instalação de sistemas de rega gota-a-gota e técnicas modernas de produção agrícola.

Elas permitirão ainda a reabilitação das infraestruturas de captação de água em São Nicolau, onde a primeira barragem construída na ilha revelou deficiência na retenção da água das chuvas caídas no ano passado.

O Ministério do Desenvolvimento Rural (MDR) considera importante a implementação deste projeto nas três ilhas do país que ficaram cheias com as chuvas de 2015, tornando assim  urgente a valorização das áreas irrigadas para facilitar a sua utilização pelos agricultores.

Assim, vão ser desenvolvidas ações destinadas a promover o uso racional dos recursos hídricos, de modo a consolidar os resultados positivos das ações já desenvolvidas nas áreas de instalação e utilização de sistemas de irrigação gota-a-gota e treinar agricultores para reforçar a sua capacidade técnica através da transferência e troca de conhecimento técnico.

O projeto, considerado a continuidade das medidas de modernização na produção agrícola e agronegócios em áreas dominadas por barragens de água, tem ainda como objetivo desenvolver a capacidade dos agricultores em matéria de valoração e comercialização da produção agrícola e reforçar a respetiva capacidade de supervisão.

Em 2010, o Governo cabo-verdiano, que cessa funções dentro de dias na sequência da derrota sofrida pelo PAICV, partido que o suporta, nas eleições de 20 de março, lançou um ambicioso programa de construção de 17 barragens até ao fim da legislatura, em 2016, bem como dezenas de diques, furos e sistemas de bombagem de água.

O projeto tem como pano de fundo mobilizar 75 milhões de metros cúbicos de água para consumo e para a agricultura, cerca de um porcento da água que anualmente se perde pela não retenção das águas provenientes das chuvas.

O programa prevê também 70 perfurações, ensaios de bombagem e construção de abrigos de proteção nas ilhas da Brava, do Fogo, de Santiago, de São Nicolau e do Santo Antão.

Contempla igualmente 29 diques nas ilhas do Maio e da Boavista, e a instalação de sistemas de captação, bombagem, adução, armazenamento e distribuição de água, nos concelhos de São Salvador de Mundo (Santiago) e São Filipe (Fogo).

Notícias

Cabo Verde não deve competir pelo preço com outros destinos turísticos, avisa CEO da Oásis

Projeto "Volunturismo" movimenta cerca de 30 turistas para São Vicente

Santa Cruz: Autarquia quer transformar município num destino turístico de excelência

Porto Novo recebe investimentos privados nas pescas à volta de 70 mil contos

São Vicente vai acolher missão empresarial alemã com foco nas energias renováveis