Investigador defende que é necessário entender as reais necessidades da oceanografia costeira

Um investigador da Faculdade de Engenharia e Ciências do Mar da Uni-CV afirmou hoje que é necessário entender as reais necessidades da oceanografia para tirar o maior proveito numa vertente mais costeira e ligada ao conhecimento dos recursos.

A constatação foi feita por Rui Freitas, que falava aos jornalistas, esta manhã, na Praia, momentos antes de participar no workshop sobre “Observação da Terra no Oceano Atlântico e nas costas”, que acontece no âmbito do 3º diálogo de alto nível Indústria-Ciência-Governo, promovido pelo Governo, através do Ministério da Educação, nos dias 07 e 08 deste mês.

O investigador da Faculdade de Engenharia e Ciências do Mar da Uni-CV disse que apesar da oceanografia ser uma ciência cara onde os equipamentos demandam de uma vertente tecnológica elevada, Cabo Verde tem feito várias iniciativas a nível deste sector.

Segundo este professor, os resultados da investigação a nível deste sector podem ser importantes para uma melhor gestão das zonas e águas costeiras.

“Para tal, precisarmos entender quais são os vários desafios, como é que podemos tirar o maior proveito da oceanografia, das tecnologias, numa vertente mais costeira e ligada ao conhecimento dos nossos recursos”, sublinhou

Por outro lado, adiantou que Cabo Verde, sendo um país arquipelágico e oceânico, enfrenta vários desafios a nível da limpeza e sustentabilidade dos oceanos, onde as praias da vertente norte e nordeste são assoladas com grandes quantidades de lixo, sobretudo plásticos, situação que se tornou, segundo defendeu, numa problemática que afecta o mundo inteiro.

“O que podemos constactar a nível mundial não é o plástico, mas sim o micro plástico que é mais prejudicial, sendo que é minúsculo e podem ser encontrados nas cadeias alimentares, nas plantas do oceano e até chegar ao consumidor final que é o ser humano”, revelou Rui Freitas, que defendeu a necessidade de mudança de atitude e de hábitos.

Segundo o investigador, hoje em dia, o plástico é também alvo de estudo a nível bioquímico, uma vez que há indícios e amostras que revelam plásticos na corrente sanguínea, no corpo humano e nos animais.

O encontro de dois dias reúnem investigadores, empresas, académicos, governantes nacionais e internacionais.

O 3º diálogo de alto nível Indústria-Ciência-Governo visa promover soluções assentes no conhecimento para os desafios do atlântico e da sociedade global que requerem investigação interdisciplinar e inovação em complexos sistemas de observação da Terra, através de cooperação internacional.

Fonte: InforPress

Notícias

Associações açorianas vão celebrar protocolo “pioneiro” de cooperação com Cabo Verde

Fundação Maio Biodiversidade faz “balanço positivo” da campanha de protecção das tartarugas marinhas

Turismo de Cruzeiro: Santo Antão afirma-se no segmento de mercado dos navios de médio e pequeno porte

Governo lança obras de reabilitação das duas casas de Eugénio Tavares na Ilha da Brava

“Até hoje faltou um organismo capaz de dialogar com os empresários do sector turístico”