Fogo: Hospital regional vai dispor de espaço para interrupção voluntaria da gravidez até o final do ano

Com a instalação e funcionamento do espaço para IVG, pretende-se combater e diminuir os casos de abortos clandestinos, já que as mulheres podem fazer a interrupção com o acompanhamento de especialista e no quadro definido pela lei

O Hospital Regional São Francisco de Assis, na ilha do Fogo, vai dispor de um espaço para interrupção voluntária da gravidez (IVG) até final deste ano, como forma de combater abortos clandestinos que põem em perigo a vida das pessoas.

Oo director desse hospital e coordenador da região sanitária Fogo e Brava, Evandro Monteiro, indicou que o espaço para IVG vai funcionar nas antigas instalações do hospital regional de São Filipe, onde funciona a Delegacia de Saúde, Centro de Saúde Reprodutiva e que vai também acolher a sede da região sanitária, porque o acordo de cedência do antigo centro ao Estado de Cabo Verde previa uma cláusula em que não permitia a realização de interrupção no espaço.

Conforme Evandro Monteiro, com a instalação e funcionamento do espaço para IVG, pretende-se combater e diminuir os casos de abortos clandestinos, já que as mulheres podem fazer a interrupção com o acompanhamento de especialista e no quadro definido pela lei, isto é, até 12 semanas, sem comportar riscos de vida e outras consequências.

Sem avançar o número de casos de abortos clandestinos que, segundo este responsável, é difícil de se contabilizar, mas que pelo número de casos de pacientes atendidos no hospital com complicações múltiplas incluindo infecções, é relevante, sublinha, no entanto, que a situação se tornou preocupante, razão por que é urgente a criação do espaço para interrupção voluntária da gravidez em condições e com acompanhamento de técnicos especializados.

O director do hospital avança que o projecto está avançado e que antes do final do ano a ilha passará a dispor do espaço e de serviço adequados, já que a interrupção voluntaria da gravidez é um direito consagrado na lei, que define também as condições em que ela possa ocorrer.

Além da criação do espaço para IVG, o médico Evandro Monteiro, que assumiu a direcção do hospital a menos de dois meses, disse à Inforpress estar empenhado em fazer deste estabelecimento hospitalar um centro de referência em algumas especialidades.

Para tal está a estabelecer uma rede de parcerias com instituições locais, nacionais e internacionais, nomeadamente com Itália, país onde ele fez a especialização na área de cirurgia, acrescentando que alguns contactos já começaram a dar resultados.

O hospital celebrou já protocolos com a edilidade de São Filipe, com o Instituto Nacional de Previdência Social (INPS), sendo este de carácter nacional, com a Casa de Sol, mas também estabeleceu contactos com grupo de amigos em Génova e outras regiões italianas.

“Transformar o hospital regional São Francisco de Assis num centro de referência nacional em algumas especialidades médicas e criar parcerias visando criar condições para garantir o bem-estar social, a segurança e a saúde da população da região e do país” é objectivo de Evandro Monteiro, recordando que o Centro já era referenciado no passado, tendo realizado com sucesso a primeira prótese vascular há mais de 10 anos.

Evandro Monteiro disse estar consciente de que a excelência exige empenho, engajamento, dedicação e motivação de todos, e que na parte que lhe cabe vai trabalhar neste sentido, contando com a colaboração de todos os funcionários.

Entretanto, anunciou que em Setembro a equipa médica vai ser reforçada com duas técnicas, sendo uma clínica geral e uma obstetra nacional que vai reestruturar o sector de obstetrícia, a maternidade, o cuidado pré e pós natal e outras áreas afins.

Fonte: A Nação

Notícias

Ponta Calhetona recebeu investimentos de cerca de 12 mil contos

NOSi Akademia recebe mais 48 estagiários

Cabo Verde Airlines começa hoje a ligar as ilhas

Ribeira das Patas Porto Novo: Grupos de mulheres apostam na transformação de frutas para garantir auto-emprego

Cabo Verde Airlines reforça voos para Lisboa com chegada de Boeing 737-300