Fogo: Autoridades locais visitam projecto na zona alta de Miguel Gonçalves a convite de agricultor e criador

O presidente da câmara de São Filipe, Jorge Nogueira, e o delegado do Ministério da Agricultura e Ambiente, Jaime Ledo, efetuam hoje uma visita ao projeto de conservação de solo e água na zona alta de Miguel Gonçalves.

A deslocação das autoridades e de outros responsáveis surgiu na sequência de um convite do agricultor e criador promotor do projeto, José Teixeira, com a finalidade de constatar o desenvolvimento das plantas fixadas e comprovar o trabalho implementado com recursos próprios, e sensibilizá-los para ajudar na mobilização de financiamento para execução do mesmo.

Objetiva-se, ainda, inteirar-se das condições existente nas zonas altas para o desenvolvimento de fruticultura, sector de actividade em que “vale a pena apostar”.

Em declarações à Inforpress o agricultor/criador José Teixeira disse que o projeto foi elaborado em 2008 e reformulado anos mais tarde e que com meios próprios já implementou algumas atividade e que pretende sensibilizar as autoridades no sentido de conseguir financiamento para a sua implementação na totalidade, sublinhando que lhe falta meios para implementar sozinho o projeto na globalidade.

Segundo o mesmo, o projeto foi elaborado na base de uma lei da área protegida que dava possibilidade aos proprietários de terreno na zona protegida ou de amortecimento para elaborar projeto/programa de preservação de solo e água com possibilidade da administração ou entidade doadora, financiar o projeto no seu todo ou em parte, tendo elaborado o projeto na perspetiva de receber financiamento na totalidade ou em parte para implementação do projeto.

O projecto de conservação de solo e água prevê a realização de um conjunto de atividades para combate à erosão na zona alta de Miguel Gonçalves (Tudja) no município de São Filipe e ao mesmo tempo assegurar um desenvolvimento socioeconómico do meio rural equilibrado, aproveitando as potencialidades existentes sem comprometer o frágil ambiente.

O agricultor/criador promotor reconhece que o projeto inicial implicava muitos recursos financeiros, razão porque foi reformulado e resumido num projeto de menor dimensão, observando que o mesmo é implementado de forma faseada e cada atividade tem o seu custo.

O investimento maior vai para a construção de um reservatório de água, disse José Teixeira, indicando que além da construção de reservatório o projecto prevê a plantação de rícino e de feijão-congo, reabilitação de nascente, fixação de plantas fruteiras que é a base principal do projeto, e cada actividade prevê o seu orçamento específico.

Este disse que apesar da localidade dispõe de potencialidade turística, esta componente, por ora, não está incluído no projeto que focaliza apenas na parte de agricultura e pecuária, duas atividades que se desenvolve em conjunto, pois uma é complementar da outra.

O agricultor/criador iniciou a fixação de plantas fruteiras, base do projeto, e entre 2008 e 2011, fixou perto de 1.400 fruteiras que se encontram num bom estado de desenvolvimento vegetativo e algumas estão em plena fase de produção, como é o caso de mangueira e macieiras.

A falta de infra-estruturas para armazenamento da água das nascentes que ficam a montante da zona de implementação do projeto, a falta de tubagens para ligação até as parcelas, pouca mão-de-obra e deficiente acompanhamento técnico são algumas dificuldades, que segundo o promotor, está atrasar a sua implementação.

Até este momento a parcela conta com 1344 plantas fruteiras, sendo a maior videira (576 pés), goiabeira (398), mangueira (130), figueira de Portugal (130), macieira, papaeira, marmeleiro, cajueiro e romãzeira, as mesmas espécies que são cultivadas em Chã das Caldeiras.

Fonte: InforPress

Notícias

Associações açorianas vão celebrar protocolo “pioneiro” de cooperação com Cabo Verde

Fundação Maio Biodiversidade faz “balanço positivo” da campanha de protecção das tartarugas marinhas

Turismo de Cruzeiro: Santo Antão afirma-se no segmento de mercado dos navios de médio e pequeno porte

Governo lança obras de reabilitação das duas casas de Eugénio Tavares na Ilha da Brava

“Até hoje faltou um organismo capaz de dialogar com os empresários do sector turístico”