Cidade Velha como Património Mundial é um contributo “nobre e singelo” para a história dos homens – PR

O Presidente da República considerou a elevação da Cidade Velha como Património Mundial um contributo “nobre e singelo” para a historia dos homens, para ser “admirada e visitada” por gentes de outras paragens.

Jorge Carlos Fonseca fez esta consideração no seu discurso na sessão de abertura de comemoração do X aniversário da elevação da Cidade Velha a Património Mundial e abertura oficial da II edição do programa Viagem pela História.

O chefe de Estado declarou que o berço de cada Nação é como o “alvéolo mais precioso” de todo um corpo, de toda a estrutura, do seu organismo, criado e desenvolvido ao longo do tempo.

Prosseguiu explicando que, após os primeiros povoamentos e assentamentos, as ilhas cresceram, internamente, “ganharam vida e movimento singular”, passaram a “respirar pelos seus próprios meios”, dando inicio “ao pulsar dos quotidianos desta terra-corpo”.

Trata-se, segundo disse, de um berço constituído de muitas camadas, de anos sobre anos, séculos sobre séculos, tempos de fome e de fartura, vividos por ricos e pobres, libertos e cativos.

“Mas cada um deixando o sinal da sua passagem, a sua pequena pedra nesta pátria construída, que a todos acolhe e amamenta”, salientou.

Conforme referiu, a sua importância na encruzilhada do atlântico, “aliada à vetusta idade e à pátria das suas esquinas e ladeiras”, guindaram-na, “em boa hora”, a Património Mundial da Humanidade.

Assim, sustentou, é um contributo “nobre e singelo” para a história dos homens e das mulheres deste planeta, e que levara por outros caminhos, a ser admirada e visitada por gente de outras paragens.

Jorge Carlos Fonseca argumentou que “reconstruir para melhor ensinar, para melhor aprender, ficcionando o passado nas brumas” da história é “seguramente uma das melhores formas” de trazer épocas remotas para junto de todos, sobretudo dos mais novos.

“É também dar mais vida ao quotidiano da velha cidade de Ribeira Grande, transformar sua rica memória em activo económico e de grande interesse turístico, pelos dias que duram estes festejos”, exprimiu.

O Presidente da República ressaltou e agradeceu ainda os responsáveis pela organização que está a ser feita em torno desta data, defendendo que o “programa rico” que todos os anos é oferecido, resulta de um “forte cariz comunitário”.

Conclui desejando que todos que usufruam das actividades à volta da comemoração se sentirem “mais ricos e informados” sobre o passado.

Fonte: InforPress

Notícias

Associações açorianas vão celebrar protocolo “pioneiro” de cooperação com Cabo Verde

Fundação Maio Biodiversidade faz “balanço positivo” da campanha de protecção das tartarugas marinhas

Turismo de Cruzeiro: Santo Antão afirma-se no segmento de mercado dos navios de médio e pequeno porte

Governo lança obras de reabilitação das duas casas de Eugénio Tavares na Ilha da Brava

“Até hoje faltou um organismo capaz de dialogar com os empresários do sector turístico”