Cabo Verde deve fazer da eliminação da malária uma bandeira nacional – OMS

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomendou ontem a Cabo Verde que faça da eliminação da malária uma "bandeira nacional", numa altura em que o país regista números recordes de mais de 180 casos da doença, a maioria autóctones

A recomendação foi feita pelo representante da OMS em Cabo Verde, Mariano Castellón, à saída de uma audiência com o Presidente da República, Jorge Carlos Fonseca, em que o surto de malária no país foi o assunto principal da conversa.

"Cabo Verde tem que converter a eliminação da malária numa bandeira nacional, coloca-la na agenda política e fazer uma grande aliança com os sócios do Governo na cidade da Praia, a nível nacional e no âmbito da comunidade internacional", apontou Mariano Castellón, esperando mais apoios para a meta de eliminar a doença do país até 2020.

O responsável considerou que se o país preencher alguns requisitos da OMS, poderá até eliminar a doença do país antes de 2020.

Segundo dados disponibilizados à imprensa pelas autoridades de saúde, Cabo Verde já conta com mais de 180 casos de malária (entre autóctones e importados), um número recorde, já que o maior até agora registado desde 1991 tinha sido 140 casos, em 2000.

A maior incidência de casos é na cidade da Praia, com 171, sendo que o máximo até agora tinha sido 102 (95 locais e sete importados) em todo o ano de 2001.

Em janeiro, Cabo Verde foi distinguido pela Aliança de Líderes Africanos contra a Malária (ALMA) com o prémio Excelência 2017, pelos resultados alcançados no combate à doença.

A OMS estima que o país tenha reduzido a sua taxa de incidência e de mortalidade associada à malária em mais de 40% no período decorrente e prevê também que tenha capacidade de eliminar a transmissão regional até 2020.

O representante da OMS em Cabo Verde notou que o número de casos registados "é anormal", porque foi antes da época das chuvas, mas sublinhou que não põe em causa os esforços do Governo de eliminar a doença do país, que é um dos 12 que está em fase de pré-eliminação.

Mariano Castellón apelou, por isso, a uma melhor gestão da água a nível global, mas também ao nível privado, nas casas e na vizinhança.

O representante da OMS pediu também "maior atenção" e "acompanhamento de perto" da indústria da construção, principalmente na cidade da Praia, que pode gerar criadores de mosquitos e contribuir para o aumento de casos de malária na capital cabo-verdiana.

"Estamos a falar da indústria da construção maior, da indústria da construção mediana, mas também da iniciativa das pessoas de construir a sua residência passo-a-passo, para deixar um legado aos seus familiares e às novas gerações ou com diferentes destinos", referiu, adiantando que a indústria de construção deve ter uma responsabilidade social a nível da saúde pública.

Mariano Castellón elogiou o bairro de Fonton, um dos principais focos habituais de mosquitos, mas que até agora não registou qualquer caso, dizendo que a "boa performance" se deve aos investimentos da Câmara Municipal na requalificação urbana, ao envolvimento da comunidade e ao "trabalho de formiga" do Ministério da Saúde casa a casa para sensibilização das pessoas.

O representante considera que o bairro de Fonton poderá ser um "modelo" a replicar em outras áreas urbanas, onde há casos autóctones de malária, como Achada de Santo António, Várzea, Ponta Belém, Achadinha, Taiti ou Lém Ferreira.

Mariano Castellón informou que a OMS vai apoiar Cabo Verde, estando prevista a chegada de uma missão de assistência técnica, com especialistas que vão acompanhar a resposta nacional e análise da dinâmica do surto de malária que se intensificou em meados de julho.

O representante indicou que o país vai receber equipamentos para tratamento, testes rápido, mosquiteiros, afirmando que tudo está a ser tratado com as sedes regional em Brazzaville (Congo) e mundial em Genebra, e com outros países africanos que também podem ajudar, como Senegal, Angola, Moçambique ou Guiné-Bissau.

As autoridades cabo-verdianas intensificaram a luta contra os mosquitos, com pulverização espacial e dentro das casas e com campanhas de sensibilização da população para a importância de manter as casas e ruas limpas.

Fonte: Expresso das Ilhas

Notícias

Associações açorianas vão celebrar protocolo “pioneiro” de cooperação com Cabo Verde

Fundação Maio Biodiversidade faz “balanço positivo” da campanha de protecção das tartarugas marinhas

Turismo de Cruzeiro: Santo Antão afirma-se no segmento de mercado dos navios de médio e pequeno porte

Governo lança obras de reabilitação das duas casas de Eugénio Tavares na Ilha da Brava

“Até hoje faltou um organismo capaz de dialogar com os empresários do sector turístico”