Cabo Verde, São Tomé e Timor-Leste melhores lusófonos no combate à malária – OMS

Cabo Verde, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste reduziram significativamente em sete anos o número de óbitos e de casos de malária, indica hoje um relatório da Organização Mundial de Saúde (OMS) sobre a situação do paludismo no mundo.

 Sem Portugal no documento, os restantes oito Estados membros da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) – Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste –, surgem no relatório, com o arquipélago cabo-verdiano a destacar-se pela positiva.

Ainda sem a contabilização dos dados referentes a 2017, Cabo Verde surge no documento como o melhor país lusófono, com uma média inferior a 10 mortes em 2010, 2011 e 2014 e 2016, reportando mesmo zero em 2012, 2013 e 2015.

Segundo a OMS, Cabo Verde tem registado sempre menos de 100 casos por ano (2010, 2013, 2014 e 2016), tendo contabilizado mesmo uma média inferior a 10 em 2011, 2012 e 2015.

Quase idêntico é o cenário em São Tomé e Príncipe que, nos últimos três anos (2014, 2015 e 2016) não registou qualquer morte por paludismo, recenseou menos de 10 em 2012 e menos de 100 em 2010, 2011 e 2013.

No entanto, ao contrário de Cabo Verde, o número de casos médios anuais é bastante elevado, sobretudo o pico de cerca de 12.500 registado em 2012 – vinham a subir desde 2010 (2.700) e 2011 (8.000), descendo progressivamente para 9.000 (2013), 1.800 (2014) e 2.100 (2015), aumentando para 2.200 no ano passado.

Com uma evolução também positiva surge Timor-Leste que, depois de em 2010 ter registado 220 óbitos, desceu para menos de 100 nos dois anos seguintes, para menos de 10 em 2013 e sem qualquer morte desde 2014.

As estatísticas revelam também uma queda abrupta no número de casos de paludismo em Timor-Leste, uma vez que, em 2010, o total foi de 78.800, descendo sucessivamente até 2015 – 27.780 (2011), 7.000 (2012), 1.500 (2013), 400 (2014) e menos de 100 (2015), para registar 120 em 2016.

Desde 2010, ano em que o relatório da OMS utiliza como comparação, o Brasil, o país mais populoso da comunidade lusófona, tem mantido uma constância no número de óbitos, sempre com menos de 100.

A constância do número de mortos contrasta com a forte descida no de casos, pois desde 2010 que não para de descer – 370.000 (2010), 295.000 (2011), 288.200 (2012), 196.700 (2013), 154.100 (2014), 153.000 (2015) e 137.300 (2016).

O mesmo cenário de constância quase acontece na Guiné-Bissau a manter também uma média anual de 600 óbitos ao longo dos sete anos de referência, em que o total de casos desceu entre 2010 e 2015 – 78.400, 72.400, 66.100 55.500, 52.200 e 46.900 –, para voltar a aumentar ligeiramente em 2016, com 47.900.

Com totais de mortes inferiores a mil nos últimos sete anos está também a Guiné Equatorial, embora com variações antagónicas ao longo desse período: dos 500 óbitos registados em 2010, subiu para 700 em 2011, para 800 em 2012 e para 900 em 2013, mantendo uma média anual de 800 desde 2014.

No entanto, o número médio de casos anuais de malária no mais recente Estado membro da CPLP quase duplicou entre 2010 e 2016 – 93.900 (2010), 151.700 (2011), 185.400 (2012), 206.500 (2013), 174.800 (2014), 173.700 (2015) e 178.100 (2016).

O panorama agrava-se significativamente em Angola e Moçambique.

Em Angola, a média anual de mortes desde 2010, entre subidas e descidas, vai variando positiva e negativamente, com os 11.980 registados há sete anos, descendo para 11.590 em 2011 e para 11.480 em 2012, subindo, depois, para 11.720 em 2013 e 11.970 em 2014, diminuindo novamente para 11.900 em 2015 e aumentando para 11.950 em 2016.

As variações contrastam, porém, com o sucessivo aumento de novos casos no país, que, em 2016, atingiu 1.903 milhões – 1,845 milhões (2010), 1,894 milhões (2011), 1,881 milhões (2012), 1,904 milhões (2013) e outra vez 1,881 milhões (2015).

Moçambique é o caso mais grave, onde, depois do pico de 17.050 mortes registado em 2012 (16.670 em 2010 e 16.600 em 2011), tem vindo a descer sucessivamente para 16.380 (2013), 15.230 (2014) e 14.290 (2015), voltando a subir ligeiramente no ano passado, para 14.370.

Em relação ao número de casos, Moçambique gira em torno de uma média anual entre os oito e nove milhões de novas infeções – 8,720 milhões (2010), 9,050 milhões (2011), 9,520 milhões (2012), 9,320 milhões (2013), 8,920 milhões (2014), 8,680 milhões (2015) e 8,870 milhões (2016).

Fonte: Expresso das Ilhas

Notícias

Cabo Verde não deve competir pelo preço com outros destinos turísticos, avisa CEO da Oásis

Projeto "Volunturismo" movimenta cerca de 30 turistas para São Vicente

Santa Cruz: Autarquia quer transformar município num destino turístico de excelência

Porto Novo recebe investimentos privados nas pescas à volta de 70 mil contos

São Vicente vai acolher missão empresarial alemã com foco nas energias renováveis