Boa Vista: Primeiro-ministro avança que 33% do Fundo do Turismo são afectos à ilha

“Boa Vista afecta 33% do Fundo do Turismo, sendo a segunda ilha, depois do Sal que que mais contribui para o fundo, e a segunda a receber investimentos que melhoram a qualidade do destino turístico”, afirmou o primeiro-ministro.

Ulisses Correia e Silva fez estas declarações, explicando que “o investimento destes recursos está sob o princípio de onde há maior arrecadação de receitas provenientes do Fundo do Turismo, é onde se faz a aplicação maior, para se poder compensar devidamente aquilo que é contribuição para melhores condições turísticas”.

O chefe do Governo falou dos investimentos, da requalificação, urbanização e infra-estrutura da zona da barraca, hoje conhecida por bairro da Boa Esperança, defendendo que estes fenómenos devem ser evitados porque ao se multiplicarem criam vários problemas sobretudo de humidade, e de qualidade de vida das pessoas.

“No quadro do desenvolvimento sustentável está previsto um aumento da penetração das energias renováveis na Boa Vista. Atualmente estamos com 22%, e em 2020 estaremos em 33% com o parque solar de Ervatão que arrancará brevemente”, anunciou Ulisses Correia e Silva.

Para o governante, este desenvolvimento passa pela “oferta de formação profissional e empreendedorismo, assim como, acrescentou, há que haver certificação de produtos agro-alimentares para que possam penetrar no mercado turístico.

“O projeto cidade segura à semelhança do que foi desenvolvido na cidade da Praia vai avançar, e os trabalhos de georreferenciação para identificar os pontos para colocar video vigilância serão colocados na próxima semana”, comunicou o primeiro-ministro Ulisses Correia, prometendo que “a delegação da Polícia Judiciária na ilha será uma realidade ainda este ano”.

A mesma fonte acrescentou ainda que “chegará à ilha da Boa Vista mais enfermeiros até o final do mês, o regime de emergência médica 24 horas a partir de Dezembro, a conclusão do bloco operatório também para o próximo ano, a colocação de uma equipa de ginecologia, obstetrícia e anestesia, e ainda a operacionalização do serviço de imagiologia e laboratório”.

Enquanto que na educação, continuou, “haverá investimentos, com a ampliação da escola de Sal Rei com mais de 180 mil contos investidos, e da escola do Rabil em curso, assim como da escola central, com mais cinco salas”.

Segundo o PM, prevê-se ainda “para 2020/2021 continuar a ampliação da escola de Rabil em 20 mil contos, construção do complexo da Boa Esperança com 16 salas no valor de 90 mil contos para o período 2020/2021”.

Ulisses Correia e Silva afirmou ainda que “o Governo está a trabalhar para criar condições para que o desenvolvimento sustentável da ilha passe pela dinamização da economia local, através da integração das micro, pequenas e médias empresas na cadeia de valor no turismo”.

Entretanto, o primeiro-ministro considera que “o centro da cidade de Sal Rei precisa de novas centralidades, com requalificações das frentes marítimas para criar ofertas descentralizadas de serviços, restauração, comércio, entretenimento e lazer, e trazer a atividade económica”.

Fonte: InforPress

Notícias

Açores apoia Cabo Verde na valorização das cadeias de valor agrícolas

FIC “despede-se” da Laginha com balanço positivo

Cabo Verde lança isenções fiscais para tentar captar investimento de emigrantes

Governo e Câmaras de Comércio oficializam transferência de competências