Aterros colocados no mar vão ser removidos para darem lugar a uma ponte – coordenador

O coordenador da equipa multissectorial de acompanhamento do empreendimento turístico do Djéu garante que os aterros colocados no mar são “provisórios”, pelo que serão removidos para darem lugar a uma ponte que vai ligar Gamboa ao local.

Alberto Melo desfaz assim os rumores, segundo os quais o projecto inicial teria sido alterado para dar lugar a enchimento do mar, em vez de uma ponte que permita a circulação da água.

O lançamento da primeira pedra para a construção da ponte que liga Gamboa ao ilhéu de Santa Maria, conhecido por Djéu, está prevista para hoje à tarde, numa cerimónia presidida pelo vice-primeiro-ministro e ministro das Finanças, Olavo Correia.

O complexo turístico do Ilhéu de Santa Maria, orçado em mais de 250 milhões de euros, vai ocupar uma área de aproximadamente 153 mil metros quadrados.

No ilhéu será construído um resort, com um centro internacional de convenções, um centro cultural, incluindo um museu da escravatura, uma boutique-hotel, além de espaços verdes. O resort será ainda dotado de uma marina com clube náutico e capacidade para entre 20 a 30 embarcações.

David Chow, que explora espaços de jogo em Macau, disse, na altura da apresentação do projecto, em Julho de 2015, que a estância turística em frente à praia da Gamboa vai colocar Cabo Verde no mapa mundial e com benefícios para o país.

A expectativa é que venha a gerar 2100 postos de trabalho directos e receber diariamente 12 mil pessoas nos sectores do comércio, lazer, desporto e cultura.

Fonte: InforPress

Notícias

Associação das Agências de Viagens e Turismo de Cabo Verde aplaude novas regras de vistos Schengen

Santo Antão: Associação dos municípios investe três mil contos na tradução de guia turístico para francês, inglês e alemão

Cabo Verde seduz turistas americanos e brasileiros com isenção de vistos

Turismo: Santo Antão ganha em 2020 mais um centro de turismo e de interpretação turística

Antevisão para 2020 : Ano de muitas actividades culturais