UNESCO reitera compromisso com a diversidade linguística como sendo essencial para o desenvolvimento sustentável

A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) reiterou o seu compromisso com a diversidade e o multilinguismo como sendo essenciais para o desenvolvimento sustentável.

A mensagem da UNESCO é no âmbito da comemoração do Dia Internacional da Língua Materna, assinalado a 21 de Fevereiro, este ano com o tema “Diversidade linguística e multilinguismo contam para o desenvolvimento sustentável”, com o objectivo de preservar a diversidade linguística e promover a educação multilingue baseada na língua materna.

Para a organização, a diversidade linguística está cada vez mais ameaçada, à medida que mais e mais línguas desaparecem, sendo que em média, a cada duas semanas, uma língua desaparece, levando consigo toda uma herança cultural e intelectual.

A UNESCO aproveita o dia para se focar na diversidade linguística e no multilinguismo como parte integrante Objectivo de Desenvolvimento Sustentável (4.6), sobre como “garantir que todos os jovens e uma proporção substancial de adultos, homens e mulheres, obtenham alfabetização e aritmética”.

As Nações Unidas sublinharam, este ano, que as línguas, com suas implicações complexas para identidade, comunicação, integração social, educação e desenvolvimento, são de importância estratégica para pessoas e para o planeta, no entanto, a UNESCO sublinha que, devido aos processos de globalização, estão cada vez mais ameaçadas ou desaparecem por completo.

Mais de 50% das aproximadamente 7.000 línguas faladas no mundo provavelmente morrerão em poucas gerações, conforme a mesma fonte, sendo que 96% dessas línguas são faladas por apenas 4% por cento da população mundial, sem esquecer que algumas centenas de línguas foram “genuinamente privilegiadas” nos sistemas educacionais e no domínio público, e menos de uma centena são usadas no mundo digital.

Em relação ao tema deste ano, “Diversidade linguística e multilinguismo contam para o desenvolvimento sustentável”, a ONU explicou que foi escolhido, porque para promover o desenvolvimento sustentável, os alunos devem ter acesso à educação na língua materna e em outras línguas, lembrando que é através do domínio da primeira língua ou língua materna que as habilidades básicas de leitura, escrita e numérica são adquiridas.

O Dia Internacional da Língua Materna, proclamado pela UNESCO em 1999 e celebrado, anualmente, a 21 de Fevereiro, tem como objectivo a protecção e a salvaguarda das línguas faladas pelos povos em todo o planeta, estimando-se que existam mais de 7.000 línguas em todo o globo, sendo que metade destas corre o risco de vir a desaparecer.

A escolha do dia 21 de Fevereiro para comemorar o Dia Internacional da Língua Materna serve para lembrar a população mundial da tragédia que ocorreu em Fevereiro de 1952, na cidade de Daca, no Bangladesh, em que vários estudantes foram mortos pela polícia enquanto protestavam pelo reconhecimento da sua língua – o bengalês – como um dos dois idiomas oficiais do então Paquistão.

O tema do Dia Internacional da Língua Materna em 2017 foi “Rumo a futuros sustentáveis através da educação multilingue”, e em 2016 foi “Educação de qualidade, linguagem(ns) de instrução e resultados de aprendizagem”.

Fonte: InforPress

Notícias

Mensagem da AAVTCV desperta interesse e curiosidade aos operadores e empresários russos por Cabo Verde

África e a quarta revolução industrial

Verbas para instalação do Instituto de Ciências e Tecnologias Agrárias alocadas no OE para 2020

Ilha do Sal: Festival da Praia de Santa Maria vai decorrer sob o lema “Morna a património da humanidade”

Santo Antão: Portal sobre o ecoturismo na ilha já está disponível em três línguas