Cabo Verde divulga e valida estudo de avaliação de riscos agrícolas

Um atelier sobre a divulgação e validação do estudo de avaliação dos riscos agrícolas em Cabo Verde, elaborado em 2016, iniciou-se esta terça-feira na cidade da Praia, apurou a PANA de fonte segura.

O evento, promovido pelo Ministério da Agricultura e Ambiente, em parceria com a Plataforma para a Gestão dos Riscos Agrícolas (PARM) e a Agência da Nova Parceria para o Desenvolvimento de África (NEPAD), servirá também para informar os participantes sobre a “abordagem holística” proposta pela PARM e pela NEPAD com vista à gestão destes fenómenos.

O fórum também visa partilhar algumas ferramentas de gestão destes fenómenos desenvolvidas por atores nacionais e internacionais ativos nesse setor, a formulação de recomendações sobre os eixos estratégicos, objeto de futuras análises para uma melhor gestão de riscos agrícolas identificados.

É também uma das metas do encontro a identificação da plataforma nacional no qual se deve integrar esta gestão e o apoio prestado pela PARM.

Conforme dados oficiais, em Cabo Verde, o setor agrícola representa menos de 10% do Produto Interno Bruto (PIB), mas o seu desenvolvimento é considerado “crucial” pelo Governo num contexto de “forte dependência” dos mercados estrangeiros e da mudança das condições climáticas.

“Para lidar com esses riscos e garantir a segurança alimentar, é essencial utilizar uma abordagem multissectorial (holística) capaz de proporcionar uma visão global e propor soluções adequadas”, sublinha o Executivo cabo-verdiano.

O Governo sublinha ainda que é neste contexto que a PARM, em parceria com a NEPAD e o Ministério da Agricultura e Ambiente, deu o seu contributo ao Governo através do referido estudo de avaliação dos riscos agrícolas.

Para o Executivo, a gestão dos riscos agrícolas pode dar um “contributo significativo” para a melhoria da resiliência das famílias pobres rurais, reforçando a sua capacidade de gerir estes riscos e de se adaptarem. 

A fonte do Governo cabo-verdiano recorda que os chefes de Estado e de Governo da União Africana adotaram em 2005 o Programa Detalhado para o Desenvolvimento da Agricultura Africana (PDDAA), a componente agrícola da NEPAD, com vista a alcançar a segurança alimentar, reduzir a pobreza e acelerar o crescimento agrícola.

“A sua implementação é feita através de políticas agrícolas sub-regionais e nacionais traduzidos em programas regionais e nacionais de investimento agrícola”, sublinha a fonte.

Fonte: Panapress

Notícias

Uni-CV promove debate sobre oportunidades de negócios no âmbito da Economia Azul, turismo e energia

As razões da queda do turismo cabo-verdiano

Sal recebe 37% dos recursos do Fundo do Turismo - PM