Editores esperam que presidência da CPLP dinamize literatura e cultura lusófona

Editoras, autores e livreiros cabo-verdianos manifestaram-se quarta-feira esperançados com a presidência cabo-verdiana da comunidade lusófona (CPLP), esperando que possa servir para dinamizar a literatura e a cultura e facilitar a circulação no espaço.

Cabo Verde vai assumir a presidência da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) após a XII Conferência de chefes de Estado e de Governo que acontece na ilha do Sal em Julho.

A cultura é uma das temáticas do país, que vai apresentar uma proposta de criação de um mercado comum cultural e de realização de iniciativas culturais, como bienais ou prémios de artes. 

Em declarações à agência Lusa, na cidade da Praia, durante um fórum nacional, editores, autores e livreiros manifestaram esperançosos com a presidência cabo-verdiana da comunidade lusófona, esperando que possa dinamizar a literatura e a cultura e facilita a circulação. 

Luísa Lobo, da Tipografia Santos, notou que a CPLP é um "espaço privilegiado", entendendo que se deve aproveitar a presidência cabo-verdiana para "dinamizar não só a literatura, mas tudo o que é cultura", adiantando que antes de se preocupar com internacionalização da literatura cabo-verdiana, deve preocupar-se com a nacionalização da literatura cabo-verdiana, já que, disse, os autores cabo-verdianos não são suficientemente conhecidos a nível nacional.

Elizabete Coutinho, da Universidade de Cabo Verde (Uni-CV), lembrou que a instituição já tem parcerias com universidades um pouco por todo o mundo e também com as dos países lusófonos, mas espera que haja um "reforço" da parceria a nível da edição de livros. 

"Seria muito bom que pudéssemos fazer edições com outras universidades da CPLP para que os nossos livros possam circular nesse espaço, o que tem sido extremamente difícil", perspetivou a professora da Uni-CV, que publica há cerca de 10 anos e neste momento conta com 75 títulos, entre livros, revistas, coleções.

"Esperemos que se coloque um pouco a ênfase no livro, na sua divulgação e circulação no nosso espaço", disse a responsável académica, esperando também que haja mais coedições e formas de conhecer mais os autores, professores e investigadores que publicam nas universidades lusófonas.

"Já temos uma forte ligação com o Brasil e Portugal, mas seria muito bom alargarmos aos outros países", disse a docente, que também apontou as dificuldades de divulgar o livro no país. 

O presidente da Academia Cabo-verdiana de Letras (ACL), David Hopffer Almada, disse esperar que a presidência cabo-verdiana da CPLP seja "muito boa" em termos de resultados e que a cimeira do Sal possa servir para um "novo começo" da comunidade.  

"Espero que os responsáveis possam dar um novo elã à CPLP para que possa cumprir a missão que foi instituída. Estamos muito esperançados na próxima cimeira", afirmou o escritor e advogado, presidente da ACL desde Janeiro. 

Mário Silva, administrador Livraria Pedro Cardoso, por sua vez, disse que ainda não espera nada da presidência cabo-verdiana da CPLP, explicando que o Governo ainda não avançou nada de concreto sobre o livro.   

"Está tudo muito vago. Espero que Governo defina uma política clara para o livro", apelou o administrador da Pedro Cardoso, que no ano passado bateu o recorde de 19 livros publicados.  

Mário Silva salientou a importância de se internacionalizar a literatura cabo-verdiana, mas considerou que primeiro é preciso fazer o livro chegar a todas as ilhas do arquipélago.  

O fórum foi encerrado pelo ministro da Cultura, Abraão Vicente, que reafirmou a proposta de criação de um mercado comum cultural, como "caso inicial de experimentação" de mobilidade dentro da comunidade lusófona.  

O ministro sublinhou a necessidade de uma política comum das artes e indústrias criativas, indicando que nos dois anos de mandato o país vai "reestruturar" o sector, criando um ambiente para que o livro seja "mais bem visto e mais usado". 

Abraão Vicente e a curadora da Biblioteca Nacional, Fátima Fernandes, anunciaram a criação de uma bienal do livro lusófono, durante a cimeira do Sal, que possa servir para maior contacto entre os escritores e dar a conhecer o que se produz no país. 

Considerando que autores de países pequenos como Cabo Verde necessitam de "estímulos especiais", o ministro disse também que o país ainda precisa melhorar o aspecto visual do livro, para poder competir com os autores internacionais, bem como ter autores de qualidade e empresarialização do sector do livro e da cultura. 

Além da resolução sobre o mercado comum da cultura, artes e indústrias criativas, Abraão Vicente informou que o Governo  vai apresentar ainda resoluções sobre a língua portuguesa, a preservação do património e criação da rede de bibliotecas e dos arquivos da CPLP. 

Fonte: Expresso das Ilhas

Nouvelles

Respostas rápidas: Quem deve pagar a Taxa de Segurança Aeroportuária?

São Vicente: Kiki Lima expõe “Real aparência” quando está prestes a completar 50 anos de pintura

Número de hóspedes aumentou 9,5% no segundo trimestre de 2018 face ao período homólogo – INE

Frescomar anuncia novos investimentos em São Vicente e no Sal de mais de seis milhões de euros

Direitos: Cabo Verde destaca em conferência no Canadá apoio do governo e instituições aos movimentos LGBTI

Santo Antão recebe três centros de interpretação turística para retratar património e identidade cultural da ilha

Raiz di Polon na 10ª edição do Festival de Teatro Lusófono

MCIC visita oficina de verão na Cesária Évora Academia de Artes

Filme cabo-verdiano “Firmeza” seleccionado para o Sacramento Underground Film & Arts Festival dos EUA

Filme “Os dois irmãos” selecionado para a competição oficial no 42º Festival de Cinema de Montreal/Canadá

Ilha do Fogo: Projecto “Rotas do Fogo” define estratégias e cria comités municipais para implementação do modelo agro-turismo

Nosi e Cabo Verde TradeInvest na China para dar avanço ao projecto de Computação em Nuvem da África Ocidental

Reconhecimento internacional do vinho do Fogo é exemplo para produtores de grogue de Santo Antão

“Se Cabo Verde não é capaz de organizar um discurso histórico, alguém será capaz”

Cabo Verde conquista duas medalhas de ouro no concurso Mundial de Vinhos Extremos em Itália

Editorial: Estado da Nação em “gestão corrente”

Quem comprar a TACV assume a gestão por, pelo menos, 5 anos

Primeiro-ministro anuncia proposta da Icelandair para comprar TACV

Exportações aumentam 14% no 2º trimestre deste ano

Empresários desesperam pela mobilidade económica

Angola, Brasil e Moçambique têm total de 720 mil "escravos modernos". Cabo Verde também faz parte da lista

Suspensão levantada. Cabo Verde Airlines já pode voltar aos aeroportos italianos

Cabo Verde apresenta programa da presidência da CPLP

“Os alunos que só sabem crioulo, o resultado é o isolamento”

Recém-criada Associação de Turismo do Maio almeja transformar a ilha num destino de excelência

A África precisa livrar-se da "Ajuda que mata", defende autora Dambisa Moyo