Santo Antão: Época alta do turismo que se avizinha marcada pela diversificação da oferta

Os operadores turísticos em Santo Antão já preparam a época alta do turismo que se avizinha, e que deverá ser marcada pela diversificação da oferta, graças aos investimentos que estão a ser realizados no domínio do turismo.

A época alta do turismo em Santo Antão decorre entre os meses de Outubro e Maio, período em que milhares de turistas, sobretudo do norte da Europa, chegam à ilha para a prática de trekking (caminhadas em trilha à procura do contacto com a natureza).

Além do trekking, até agora, o principal produto turístico de Santo Antão, os operadores, que têm vindo a ser capacitados no quadro do projecto Raízes (Redes Locais para o Turismo Sustentável e Inclusivo em Santo Antão), começam a apostar, também, na promoção do canyoning e mergulhodiversificando assim, a oferta.

Além de Raízes, que visa, sobretudo, a valorização do património natural e formação dos operadores, a ilha de Santo Antão beneficia ainda do projecto Rotas das Aldeias Rurais, que contempla 36 operadores, nesta altura, apostados na criação e alargamento dos seus empreendimentos turísticos.

No Planalto Norte do Porto Novo, um dos sítios bastante visitados pelos turistas, que chegam a Santo Antão entre Outubro e Maio, os operadores beneficiários do projecto Rota das Aldeias Rurais apostam na melhoria das condições de acolhimento, o mesmo acontecendo em outras localidades, como Tarrafal de Monte Trigo, Ribeira da Cruz e Ribeira Fria.

Os operadores acreditam que os projectos Raízes e Rota das Aldeias Rurais, estimados em 110 mil contos, financiados, respectivamente, pela União Europeia e Governo de Cabo Verde, permitem, já a partir deste ano, diversificar a oferta, criando assim condições para os turistas permanecerem por muito tempo em Santo Antão.

Graças ao projecto Eco-Tur, também financiado pela União Europeia, o qual coloca à disposição do Porto Novo um montante de 35 mil euros (quase quatro mil contos), este município vai poder criar rotas turísticas e miradouros para a promoção do turismo da natureza em Santo Antão.

Apesar do crescimento registado nos últimos anos, o turismo em Santo Antão, marcado pelo “problema de sazonalidade”, está ainda longe de assumir o papel de “motor do desenvolvimento” desta ilha, no entender das autoridades ligadas ao sector que defendem a aposta em outros mercados, que não sejam apenas o europeu.

Dos cerca de 716 mil turistas que entraram em Cabo Verde em 2017, apenas 26 mil visitaram Santo Antão, facto que, segundo os operadores, demonstra que “há ainda muito trabalho a fazer” para que esta ilha se assuma, de facto, como um destino, opinião partilhada pela Câmara do Turismo de Cabo Verde e pela Direcção-Geral do Turismo.

Nesta altura, os operadores ponderam a possibilidade de explorar o mercado da costa ocidental da África, numa altura em que Cabo Verde começam a receber turistas desta região africana, designadamente do Gana, Costa de Marfim e do Senegal.

Fonte: InforPress

Notícias

Conselho de Ministros aprova lei que institui Zona Económica Especial de Economia Marítima em São Vicente

Missão empresarial de Cabo Verde em Portugal visita Marinha Grande para “aprender com os melhores” em investigação e design industrial

"Batuka". O novo video de Madonna com a Orquestra Batukadeiras

Ginástica Rítmica: Noa Veiga representa Cabo Verde no Mundial de Júniores na Rússia

São Tomé e Príncipe e Cabo Verde celebram acordo de supressão de vistos