PM lança medidas que estimulam a boa governança corporativa

O Governo garante que está empenhado em criar todas as condições para que a boa governança das empresas se entranhe em Cabo Verde como algo culturalmente aceite, desejado e valorizado, afiançou o Primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, para quem uma das condições para a boa governança corporativa empresarial é a estabilidade económica, a transparência e a disciplina financeira. Pelo que avançou com um conjunto de medidas que o seu governo tem em curso neste sentido.

De acordo com uma noticia publicada na página oficial do Executivo, o Chefe de Governo anunciou estar em curso varias medidas. São os casos da "reestruturação e a privatização de empresas de capitais públicos para reduzir os elevados riscos fiscais e melhorar a eficiência da economia; o Programa de redução progressiva da dívida pública e uma lei de bases da dívida pública a ser apresentada ao Parlamento neste semestre; a criação do Conselho de Finanças Públicas; assim como medidas para introduzir eficácia na prevenção e repressão da fraude, evasão fiscal e enriquecimento ilícito, e o reforço da atividade inspetiva e fiscalizadora do Estado”, enumerou.

Do mesmo modo, são apontadas, entre outras medidas, a reestruturação das agências de regulação económica, a criação de um sistema institucional que garante o combate sistemático e permanente à corrupção, a reforma do código de empresas comerciais e registo de firma e, ao nível do mercado de capitais, a criação de um sistema de reporte e alteração pontual ao código de valores de mercado mobiliários, designadamente no respeitante à divulgação de transações de dirigentes de sociedades cotadas e lista de pessoas com acesso à informação privilegiada.

O que se quer, conforme o Primeiro-ministro, é valorizar o ativo confiança. “Confiança, estabilidade, capital humano de excelência e cosmopolitismo devem ser erigidos como elementos distintivos com os quais Cabo Verde se deve afirmar no concerto das nações e elementos que devem enformar o ambiente em que os investidores e as empresas operam”, reiterou Ulisses Correia e Silva, considerando ser a tarefa maior que tem em mãos atualmente.

Outra tarefa importante, acrescentou o chefe do Executivo, é orientar a governança corporativa do Estado para através de estímulos apropriados, em liberdade e em respeito pela autonomia das pessoas e das organizações, libertar as energias criadoras, inovadoras e participativas dos indivíduos, na família, na escola, na universidade, na empresa para a criação de valor económico, social, cultural e ambiental.

Mesmo porque, disse, a boa governança corporativa das empresas é importante para a eficiência da economia. “A tendência redutora de olhar para a empresa apenas como a entidade do patronato e dos acionistas descuida a visão sobre a sua grande responsabilidade económica e social pela riqueza que cria, emprego que cria, aquisições que faz, satisfação de necessidades com a oferta de bens e serviços que faz, a inovação que produz, os impostos que paga”, anotou.

Essas considerações foram feitas no quadro do discurso do Primeiro-ministro proferido na abertura da conferência “Governança Corporativa”, promovida, esta terça-feira, 6, pelo Ministério das Finanças, em parceria com a Escola de Negócios e Governação (ENG) da Universidade de Cabo Verde (UNICV).

Fonte: A Semana

Notícias

Conselho de Ministros aprova lei que institui Zona Económica Especial de Economia Marítima em São Vicente

Missão empresarial de Cabo Verde em Portugal visita Marinha Grande para “aprender com os melhores” em investigação e design industrial

"Batuka". O novo video de Madonna com a Orquestra Batukadeiras

Ginástica Rítmica: Noa Veiga representa Cabo Verde no Mundial de Júniores na Rússia

São Tomé e Príncipe e Cabo Verde celebram acordo de supressão de vistos