Operadores registam aumento de turistas com o Programa Cabo Verde Stopover

O Programa Cabo Verde Stopover implementado pela companhia aérea de bandeira nacional, Cabo Verde Airlines já demonstra os seus frutos. Os operadores turísticos da ilha do Sal, contactados pelo Expresso das Ilhas, são unânimes em afirmar que a presença de turistas, nomeadamente do Brasil, aumentou graças à nova opção disponibilizada aos passageiros da Cabo Verde Airlines, de viajar para a Europa com escala no arquipélago, que pode ser de até sete dias, sem custos adicionais no bilhete de viagem.

“Temos registado sim, e com satisfação, a presença de clientes nossos e dos hotéis da vizinhança vindos do Brasil. Sei ainda que os empresários da restauração também têm notado a presença de muitos brasileiros de passagem pela ilha do Sal, e que por iniciativa própria têm optado por fazer as suas reservas de viagens com destino Europa, com escala na ilha do Sal”. 

A afirmação é de Carlos Santos, representante do Grupo Oásis Atlântico Hotels & Resorts Cabo Verde, que ressalva que o processo ainda está em construção e, que a Cabo Verde Airlines já tem realizado algumas reuniões com os operadores turísticos da ilha, para a criação de uma plataforma digital com o objectivo de reforçar a promoção do Programa Stopover.

“Já foi criada uma comissão que ficará encarregue de apoiar a CV Airlines na construção desta plataforma associada à página oficial da companhia aérea, de forma a promover os operadores do sector turístico e, a divulgar os serviços e experiências que podem vivenciadas no Sal durante os dias em que o turista se encontra de passagem pela nossa ilha”, acrescenta Carlos Santos. 

Débora Abu Raya, do Hotel Odjo D’Água, integra a referida comissão, embora considere que ainda há muito trabalho pela frente para a efectiva operacionalização desta plataforma digital. 

Esta ferramenta contribuirá para garantir ao turista o acesso a uma rede de empresas e informações credíveis dos sectores de hotelaria, restauração, animação e experiências turísticas, de forma a melhor aproveitar a sua passagem por Cabo Verde, mas também contribuir para o desenvolvimento da indústria do turismo no arquipélago. 

Para Débora Abu Raya, a presença de turistas do Brasil e de outros mercados emergentes da América Latina pode ser uma saída para diminuição da sazonalidade do sector turístico nacional, que regista picos elevados durante o inverno e quedas preocupantes nos meses de verão, durante a época baixa.

A ampla divulgação que tem sido feita entre os operadores de turismo internacionais, através das plataformas digitais especializadas no sector, convidando os turistas que saem do Brasil em direção a cidades europeias como Paris, Milão ou Lisboa a aproveitar a viagem para conhecer de perto o nosso país, através do Programa Cabo Verde Stopover, também tem contribuído para a maior presença de turistas na ilha do Sal, essencialmente de origem brasileira. 

Operadores defendem diminuição das Taxas para os turistas em escala 

Os operadores turísticos chamam a atenção do Governo para algumas medidas que devem ser tomadas de forma a garantir a maior efectivação e sustentabilidade do Programa Cabo Verde Stopover com efeitos mais significativos para a economia nacional. 

A diminuição do pagamento de taxas é uma medida considerada importante para que o turista não veja a escala em Cabo Verde como uma opção demasiado dispendiosa. 

Neste momento o turista que faz escala em Cabo Verde aproveitando o Programa Stopover oferecido pela companhia nacional paga à chegada ao país cerca de sete mil escudos, ou sessenta euros em taxas. 

Isso porque, apesar de Cabo Verde não ser o seu destino final, o turista deve pagar o visto de entrada, a TSA, ou taxa de segurança aeroportuária e, ainda a taxa turística que é cobrada consoante o número de dias que permanece no nosso país. 

Esta “tripla tributação”, nas palavras do Diretor Geral da Hellotours, empresa de actividades turísticas com sede na ilha do Sal, pode desencorajar o turista a optar pelo Stopover. 

Nuno Paixão é de opinião que o programa poderia beneficiar de uma intervenção do Governo para a diminuição do pagamento de taxas para os turistas em escala. 

“Já há um sinal positivo e já se vai vendo os turistas a optar pela escala em Cabo Verde, mas, o número ainda não é satisfatório. Consideramos de grande importância que haja uma diminuição das taxas para quem apenas fica apenas 3, 4 ou 5 dias. A intervenção do Governo neste sentido poderia ajudar imenso”, considera. 

O programa Cabo Verde Stopover é mais um passo na operação internacional da Cabo Verde Airlines, que contempla um novo modelo de negócio em formato Hub & Spoke, ponto de conexão para vários destinos. Este novo modelo coloca o arquipélago, nomeadamente a ilha do Sal, com ligação privilegiada para países da América do Norte, América do Sul, África e Europa, alargando assim o mercado de atuação da companhia aérea nacional. 

Fonte: ECONOMIA

Notícias

Próxima etapa de Cabo Verde é atingir o patamar da economia de rendimento médio e médio alto – ministro

Universidade Técnica do Atlântico já é realidade