Instituto da Macaronésia propõe criar soluções para produção de água através do uso das energias renováveis

O Instituto de Estudos da Macaronésia (IEMAC) propôs hoje a criação de soluções de longo prazo para a produção de água em Cabo Verde, através do uso das energias renováveis em contexto de economia circular.

Para debater essa proposta, o instituto organizou hoje, na Cidade da Praia, o workshop sobre “Consumo de água para uso doméstico e para a agricultura em contexto de seca severa”, num momento em que o país enfrenta um cenário de escassez hídrica.

Segundo a presidente do IEMAC, Fátima Monteiro, o encontro acontece no âmbito do programa de uma missão integrada por investigadores da Universidade de Coventry, do Reino Unido, que estão em Cabo Verde para apresentar o Projecto de Promoção do Acesso, Integridade, Capacitação, Direitos e Resiliência em Água e Saneamento (Pro-Water CV).

Neste sentido, os investigadores que integram o Instituto de Estudos da Macaronésia vão promover a criação de uma força tarefa encarregue de criar soluções de longo prazo, para a produção e utilização de água em Cabo Vede, através do uso das energias renováveis.

“Cabo Verde está a atravessar uma situação bastante crítica em relação a quantidade de água disponível para consumo, seja a nível doméstico, seja para a agricultura, sobretudo, mas é preciso que se encontre uma solução para esta questão, porque a água utilizada tem vindo dos lenções subterrâneos que está a atingir os seus limites”, explicou Fátima Monteiro.

A ideia, precisou a responsável, é propor soluções alternativas para produção de água através das energias renováveis, de modo a permitir a dessalinização de água menos dispendiosa do que tem sido até agora, esclarecendo que a função do IEMAC é ajudar a desenhar um plano que possa permitir ao Governo reformular o plano estratégico para a produção e uso desse líquido.

Fátima Monteiro prevê que, em Setembro, a proposta do plano estratégico esteja pronta para a ser analisada, para a seguir, no início do próximo ano, começar a implementar o projecto.

Em relação ao assunto, José Pedro Duarte Fonseca, investigador do IEMAC, considerou que a melhor solução seria a “acoplar as energias renováveis à dessalinização de água”, mais precisamente a energia das ondas do mar, por ser “muito mais consistente e muito mais intensa, já que existe durante ano inteiro”.

O Instituto de Estudos da Macaronésia foi criado em 2016, e integra investigadores de várias partes do mundo e se dedica à investigação e identificação de soluções para responder aos problemas que se colocam à região da Macaronésia (Açores, Madeira, Canárias e Cabo Verde), nos domínios do ambiente e energia, economia e segurança marítima e cultura e património.

Fonte: InforPress

Notícias

Preços da oferta turística diminuíram em termos homólogos -5,2% no segundo trimestre de 2019

Mindelo acolhe 72.º Centro de Língua Portuguesa que vai ser inaugurado quinta-feira

Brava: Master plan de turismo é o “guia maior”da planificação estratégica turística para a ilha até 2030 – edil

Novo hospital da Praia é um complemento aos hospitais de Cabo Verde e não vai substituir o HAN – PCA

Câmara Municipal do Sal apresenta plataforma “inovador” GEO Sal