Fuzileiros, médicos e enfermeiros. Cabo Verde mobiliza-se para ajudar Moçambique

Cabo Verde colocou esta quinta-feira à disposição de Moçambique fuzileiros navais, quatro médicos e seis enfermeiros, tendo anunciado a abertura de contas de solidariedade e espectáculos cujas receitas revertem para os afectados pelo ciclone Idai.

No final de uma reunião com responsáveis pela Proteção Civil, Associação de Municípios, Direção Nacional da Saúde, Forças Armadas e Cruz Vermelha, o ministro de Estado, Fernando Elísio Freire, anunciou à comunicação social as medidas decididas para apoiar Moçambique, país que já contabiliza mais de 280 mortos em consequência da passagem do ciclone Idai - número que deve aumentar exponencialmente. 

Além do apoio já anunciado pelo primeiro-ministro de Cabo Verde, de 200 mil dólares - metade da verba através do Orçamento do Estado e a outra metade proveniente de empresas - o país colocou à disposição das autoridades moçambicanas responsáveis pelas operações de resgate uma equipa de saúde composta por quatro médicos e seis enfermeiros.

O objectivo é que, em articulação com os países que já têm força operacional a funcionar ou a caminho de Moçambique, os elementos cabo-verdianos sejam introduzidos nessa missão.

Os fuzileiros navais de Cabo Verde estão igualmente à disposição para integrar uma força de resgate.

De acordo com o ministro de Estado, dos Assuntos Parlamentares e Presidência do Conselho de Ministros e Ministro do Desporto, a Cruz Vermelha de Cabo Verde comprometeu-se a entregar à população afectada cerca de 20.000 euros.

Hoje, o Governo irá abrir uma conta bancária de solidariedade - Conta Moçambique - através da qual os cabo-verdianos são chamados a ajudar.

"Em articulação com outros países amigos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), em particular Portugal, Brasil e Guiné-Bissau, que têm embaixadas em Cabo Verde, o Governo fará contactos no sentido de termos ações conjuntas para o transporte e logística, caso seja necessário", disse.

Também no quadro da CPLP, o Governo cabo-verdiano quer que se organize "um grande evento cultural e que todo o fundo reverta para a população de Moçambique", o que também deverá ser concertado ao nível da Comunidade.

"Já demos instruções a todas as nossas embaixadas, onde existe comunidade cabo-verdiana, para que organizem eventos e que as receitas revertam para a população de Moçambique", acrescentou.

Para Fernando Elísio Freire, este é "um gesto de amizade do povo cabo-verdiano e, sobretudo, um gesto de solidariedade. A solidariedade é o gesto que mais caracteriza o povo de Cabo Verde".

O ciclone Idai, com fortes chuvas e ventos até 170 quilómetros por hora, atingiu a Beira (centro de Moçambique) na noite de 14 de Março, deixando os cerca de 500 mil residentes na quarta maior cidade do país sem energia e linhas de comunicação.

Fonte: Expresso das Ilhas

Notícias

Conselho de Ministros aprova lei que institui Zona Económica Especial de Economia Marítima em São Vicente

Missão empresarial de Cabo Verde em Portugal visita Marinha Grande para “aprender com os melhores” em investigação e design industrial

"Batuka". O novo video de Madonna com a Orquestra Batukadeiras

Ginástica Rítmica: Noa Veiga representa Cabo Verde no Mundial de Júniores na Rússia

São Tomé e Príncipe e Cabo Verde celebram acordo de supressão de vistos