FMI prevê continuidade de “bom desempenho” da economia cabo-verdiana em 2017

Max Alier sublinhou também a melhoria do saldo das contas externas do país, que acumulou reservas internacionais "a um nível historicamente alto por volta dos 540 milhões de euros".

O novo chefe da missão do Fundo Monetário Internacional (FMI) para Cabo Verde perspetivou hoje, na cidade da Praia, que o bom desempenho da economia cabo-verdiana deverá manter-se em 2017, estimando um crescimento próximo dos 4%.

“O ano passado foi um ano bom para a economia cabo-verdiana especialmente quando comparado com os quatro anos anteriores, o crescimento foi bem mais forte [3,9%]. A nossa perspetiva para 2017 é que o bom desempenho da economia se mantenha”, disse Max Alier.

O responsável, que é também o representante do FMI para Angola, falava aos jornalistas no final da sua primeira deslocação a Cabo Verde como novo chefe de missão para o país e no âmbito da apresentação local das perspetivas de crescimento para a região da África Subsaariana.

“Cabo Verde teve um período de crescimento fraco entre 2012 e 2015. A média do crescimento ficou abaixo de 1% ao ano. No ano passado, os dados do Instituto Nacional de Estatística (INECV) mostram que a economia cresceu perto de 4%, o que é uma aceleração importante do crescimento”, assinalou.

“As nossas projeções são de que o crescimento em 2017 se mantenha perto do mesmo patamar do ano passado, que foi um ano positivo para Cabo Verde”, acrescentou.

Max Alier sublinhou também a melhoria do saldo das contas externas do país, que acumulou reservas internacionais “a um nível historicamente alto por volta dos 540 milhões de euros”.

Sobre a missão, o responsável do FMI explicou que se tratou de recolher dados sobre o fecho de 2016 e ver como correu o primeiro trimestre de 2017 e que, até final do ano, em data ainda a definir, acontecerá a missão de avaliação anual ao abrigo do artigo IV da organização.

Max Alier lembrou que para se conseguir manter um bom desempenho económico ao longo do tempo é preciso “uma série de reformas continuadas”, explicando que esta visita serviu também para “entender melhor a agenda das reformas do Governo”.

Questionado sobre se com estas perspetivas, a meta de crescimento médio anual de 7% estabelecida pelo Governo será alcançável, Max Alier adiantou que o objetivo da missão foi de curto prazo.

“Temos que analisar o pacote total de medidas do Governo para poder fazer essa avaliação. Para já, a nossa avaliação está focada apenas em 2017. Vamos entender 2016 e ver em 2017 como está o desempenho. Quando voltarmos para a missão de avaliação, teremos uma perceção mais de longo prazo”, disse.

No mesmo sentido, o responsável do FMI não se pronunciou sobre as reformas anunciadas pelo Executivo para as empresas públicas, nomeadamente a empresa de aviação TACV, por ser conhecida apenas parte do processo de reestruturação da companhia.

Sobre as perspetivas de crescimento da economia da África Subsaariana, Max Alier assinalou o franco crescimento em 2016, na ordem dos 1,5%, o mais baixo registado na região nas últimas duas décadas.

“Para 2017, as nossas projeções são que o crescimento aumente um pouco até 2,7% para a região subsaariana, mas é um crescimento determinado numa grande medida por temas pontuais. Por exemplo, na Nigéria tem um aumento da produção de petróleo – no ano passado houve uma quebra –, Angola tem um ano eleitoral, a África do Sul está a recuperar das secas. São questões pontuais que estão a levar a um maior crescimento, mas é um crescimento ainda relativamente fraco e só ligeiramente acima do crescimento da população na região”, disse.

Os países produtores de petróleo e matérias-primas foram os mais afetados devido à queda dos preços, que beneficiou países como a Costa do Marfim, o Senegal ou o Quénia, que não são dependentes de matérias-primas.

“Aqueles países têm as economias mais dinâmicas e com taxas de crescimento por volta de 5% a 7,5%”, disse, adiantando que “parte do que aconteceu com o crescimento tem a ver como o facto de as políticas económicas não se terem ajustado à realidade tão rápido quanto desejável”.

Fonte: A Nação

Notícias

Conselho de Ministros aprova lei que institui Zona Económica Especial de Economia Marítima em São Vicente

Missão empresarial de Cabo Verde em Portugal visita Marinha Grande para “aprender com os melhores” em investigação e design industrial

"Batuka". O novo video de Madonna com a Orquestra Batukadeiras

Ginástica Rítmica: Noa Veiga representa Cabo Verde no Mundial de Júniores na Rússia

São Tomé e Príncipe e Cabo Verde celebram acordo de supressão de vistos