Cabo Verde cria Museu da Diáspora para perpetuar memória da emigração

Um projeto do futuro Museu da Diáspora, infraestrutura que pretende perpetuar a história dos movimentos migratórios e a memória da emigração cabo-verdiana, foi apresentado sexta-feira na cidade da Praia, apurou a PANA de fonte segura no local.
O museu, a ser instalado num edifício na zona histórica da capital cabo-verdiana, será implementado em 12 meses e deverá custar 47 milhões de escudos cabo-verdianos (cerca de 428 mil euros), de acordo com a fonte.
O empreendimento terá como ponto de partida a ideia de que "a mobilidade geográfica constitui um fenómeno estruturante da sociedade cabo-verdiana" que deixou "marcas nos quatro cantos do mundo".

Além duma exposição permanente alusiva à história da emigração cabo-verdiana, o museu pretende reunir uma série de testemunhos de várias comunidades no estrangeiro, e serviços educativos destinados a escolas, ao estudo e à investigação sobre esta temática.
No museu haverá também uma aposta na componente cultural com a presença constante da música e de espaços reservados para manifestações culturais e de restauração.
O projeto, da autoria dum arquitecto cabo-verdiano, César Freitas, foi apresentado pela ministra das Comunidades, Fernanda Fernandes, que, na ocasião, sublinhou a importância deste novo museu para "um melhor conhecimento e uma valorização do papel da emigração em Cabo Verde".
"Será um museu vivo, dinâmico e interactivo", adiantou Fernanda Fernandes.

Fonte: panapress.com

Notícias

Cabo Verde lança isenções fiscais para tentar captar investimento de emigrantes

Governo e Câmaras de Comércio oficializam transferência de competências

​FIC 2019 em “casa apertada” no adeus à Laginha

Operadores registam aumento de turistas com o Programa Cabo Verde Stopover