Cabo Verde cria Museu da Diáspora para perpetuar memória da emigração

Um projeto do futuro Museu da Diáspora, infraestrutura que pretende perpetuar a história dos movimentos migratórios e a memória da emigração cabo-verdiana, foi apresentado sexta-feira na cidade da Praia, apurou a PANA de fonte segura no local.
O museu, a ser instalado num edifício na zona histórica da capital cabo-verdiana, será implementado em 12 meses e deverá custar 47 milhões de escudos cabo-verdianos (cerca de 428 mil euros), de acordo com a fonte.
O empreendimento terá como ponto de partida a ideia de que "a mobilidade geográfica constitui um fenómeno estruturante da sociedade cabo-verdiana" que deixou "marcas nos quatro cantos do mundo".

Além duma exposição permanente alusiva à história da emigração cabo-verdiana, o museu pretende reunir uma série de testemunhos de várias comunidades no estrangeiro, e serviços educativos destinados a escolas, ao estudo e à investigação sobre esta temática.
No museu haverá também uma aposta na componente cultural com a presença constante da música e de espaços reservados para manifestações culturais e de restauração.
O projeto, da autoria dum arquitecto cabo-verdiano, César Freitas, foi apresentado pela ministra das Comunidades, Fernanda Fernandes, que, na ocasião, sublinhou a importância deste novo museu para "um melhor conhecimento e uma valorização do papel da emigração em Cabo Verde".
"Será um museu vivo, dinâmico e interactivo", adiantou Fernanda Fernandes.

Fonte: panapress.com

Notícias

Conselho de Ministros aprova lei que institui Zona Económica Especial de Economia Marítima em São Vicente

Missão empresarial de Cabo Verde em Portugal visita Marinha Grande para “aprender com os melhores” em investigação e design industrial

"Batuka". O novo video de Madonna com a Orquestra Batukadeiras

Ginástica Rítmica: Noa Veiga representa Cabo Verde no Mundial de Júniores na Rússia

São Tomé e Príncipe e Cabo Verde celebram acordo de supressão de vistos