Vendedeiras do mercado do Platô rendem-se “às exigências da desinfestação e limpeza” e o estabelecimento reabre as portas já esta terça-feira

As vendedeiras do Mercado Municipal no centro histórico do Platô acabaram por desocuparem esta tarde o mercado para os trabalhos de lavagem e desinfestação, de modo que a feira possa reabrir as portas logo na manhã desta terça-feira.

A resistência das vendedeiras verificadas durante a manhã desta segunda-feira em acatar as instruções da gestão do Mercado Municipal terminou por volta das 14:00, quando estas começaram a retirar os seus produtos do local, para que o mercado possa receber os trabalhos de limpeza e desinfestação mensal durante toda esta noite.

A gestora, Patrícia Freire, explicou à Inforpress que se trata de uma medida já regulamentada para a “lavagem profunda e desinfestação” desta feira, e que após os trabalhos, que se prevê prolongar-se pela madrugada dentro, volta a abrir as portas às vendedeiras e ao público na sua generalidade, já esta terça-feira.

A responsável recordou que esta norma está a ser aplicada há um ano, em sintonia com a Delegacia de Saúde da Praia e com outras unidades sanitárias que determinaram que o mercado seja desinfestado mensalmente e não trimestral, não obstante as limpezas feitas diariamente, e que as vendedeiras sempre “estiveram conscientes” destas responsabilidades.

Freire disse ter explicado às vendedeiras que estaria fora da alçada da autarquia qualquer possibilidade de alargar o prazo para este trabalho, porquanto, ajuntou, “está em causa a saúde pública”, e que esta medida foi posta em prática mediante análise de especialistas da área, quer recomendaram esta medida

“Sempre me preocupei em sensibilizá-las das necessidades de desinfestar o mercado e proceder à uma lavagem a fundo, no sentido de eliminar todo e qualquer foco, para que não haja qualquer doença com proveniência do mercado”, elucidou Patrícia Freire, acrescentando que é “indispensável a retirada” de toda a mercadoria do recinto por causa da presença dos produtos de desinfestação.

Referiu que há uma semana, as vendedeiras foram dadas o ultimato para que no sábado, 19, procedessem à retirada das suas mercadorias, mas que dadas as suas insistências, a gestão teve de fechar o estabelecimento durante o dia de hoje para poder cumprir com a sua obrigação pública.

O mercado do platô, de acordo com a fonte, tem capacidade para albergar 540 vendedeiras, mas de momento está com menos comerciantes, sendo que apesar do finca-pé das vendedeiras, durante a amanhã, que reclamam custos para se descolarem com as suas mercadorias, acabaram por retirar os produtos, com mais ou menos insistência.

As opiniões estavam divididas esta tarde, já que enquanto algumas vendedeiras mostravam-se sensibilizadas para com a necessidade de se desinfetar o mercado, outras reclamavam pelo prejuízo que acarretavam, alegando a duplicação dos custos com a pagamento, tanto dos carregadores como dos veículos para transportes do mercado para a residência e vice-versa.

Fonte: Sapo CV

Notícias

Cabo Verde lança isenções fiscais para tentar captar investimento de emigrantes

Governo e Câmaras de Comércio oficializam transferência de competências

​FIC 2019 em “casa apertada” no adeus à Laginha

Operadores registam aumento de turistas com o Programa Cabo Verde Stopover