São Vicente: Biosfera espera mobilizar mais de 20 voluntários para época de desova de tartarugas

A associação ambiental Biosfera 1 espera mobilizar mais de 20 voluntários para a época de desova de tartarugas em Santa Luzia, que acontece entre meados de Junho e finais de Outubro, disse hoje a bióloga marinha, Patrícia Rendall.

Para isso, conforme esta responsável, já estão abertas as candidaturas desde a última segunda-feira, e que se prolongam até final de Maio, algo realizado “mais cedo”, este ano, devido a várias solicitações de candidatos estrangeiros, que pediram mais tempo para organizar as deslocações e agenda.

“Por cada época de campo, contamos ter 20 voluntários no total, mas não excluímos ninguém, porque quanto mais, melhor e ficam sempre como suplentes, visto que não se sabe o que pode acontecer”, disse Patrícia Rendall, com referência, por exemplo, as “surpresas” de campo como a que aconteceu no ano passado, em que registaram uma “actividade extraordinária” de desova de cerca de cinco mil ninhos.

A acção da Biosfera 1 tem foco em toda ilha deserta de Santa Luzia, mas com incidência nas praias dos Achados e também a de Francisca, as com maior número de ninhos.

Neste sentido, segundo a bióloga marinha, poderá se candidatar quem tiver “força de vontade” de acordar às quatro da manhã, normalmente a hora que o turno diurno começa para a prospeção, com contagem de rastos e marcação com GPS dos ninhos e ainda salvamento de algumas tartarugas, que se perdem ou então que ficam presas.

À noite, uma outra equipa faz a recolha dos dados biométricos e marcação das fêmeas adultas, nesta atividade que tem como parceira a Universidade Queen Mary, da Inglaterra.

“Os nossos voluntários têm sido mais nacionais, mas recebemos do estrangeiro, tanto de universidades, como de jovens que podem estar desempregados e queiram dedicar um pouco do seu tempo à conservação da natureza”, explicou, adiantando que as monitorizações começam a 15 de Junho e só terminam em Outubro, após a desova do último ninho.

Para esta efetivação, ajuntou, tem tido as parcerias da Direção Nacional do Ambiente, parceiro institucional, da Sea Shepherd Global, que ajuda no transporte, e da Fundação MAVA, que financiará toda a campanha.

Toda uma “nação” que auxilia na preservação das espécies de tartarugas do arquipélago, que, conforme Patrícia Rendall, têm como “principais ameaças” o comportamento humano, com a pesca artesanal e industrial, e a apanha nas praias, que sem a presença de voluntários poderia ser maior.

“Por isso, estamos completamente abertos ao voluntariado e agradeciamos muito que as pessoas se candidatassem”, reforçou, adiantando que os candidatos não têm necessariamente que ser biólogos, mas sim maiores de 18 anos e com “senso de responsabilidade”.

Fonte: Sapo CV

Notícias

Conselho de Ministros aprova lei que institui Zona Económica Especial de Economia Marítima em São Vicente

Missão empresarial de Cabo Verde em Portugal visita Marinha Grande para “aprender com os melhores” em investigação e design industrial

"Batuka". O novo video de Madonna com a Orquestra Batukadeiras

Ginástica Rítmica: Noa Veiga representa Cabo Verde no Mundial de Júniores na Rússia

São Tomé e Príncipe e Cabo Verde celebram acordo de supressão de vistos