PIB de Cabo Verde cresce 3,6% em 2016

Cabo Verde registou um crescimento de 3,6% no Produto Interno Bruto (PIB), ou seja mais de dobro de 1,5% assinalado em 2015, de acordo com as contas provisórias do Estado relativas ao ano de 2016.
Apresentados pelo ministro cabo-verdiano das Finanças, Olavo Correia, terça-feira na cidade da Praia, os dados indicam também que a dívida pública de Cabo Verde aumentou no ano de 2016, de 127,8 porcento para 128,6% do PIB.
O défice das contas públicas baixou de 4,6% para os 3,5% ao passo que a taxa de inflação passou de 0,5% em 2015 para 1,4%, de acordo com a mesma fonte.
Olavo Correia considerou os dados como “positivos”, sublinhando que eles revelam uma tendência para o crescimento da economia, para a redução do défice orçamental e do financiamento externo.
"Estamos a crescer três vezes mais que a média dos últimos anos e estamos a fazer baixar o défice ao nível dos 3,5%. Mas o país ainda tem desafios enormes pela frente ao nível da consolidação orçamental", precisou.
No mesmo sentido, ela apontou a redução das despesas de funcionamento e do investimento do Estado, o aumento da capacidade de arrecadação fiscal e a reestruturação das empresas públicas deficitárias como as áreas em que é preciso atuar rapidamente para conter os "riscos potenciais" sobre o défice e sobre o endividamento do Estado.
Referindo-se ao aumento da dívida pública, que o Governo do Movimento para a Democracia (MpD), no poder desde abril último, prometeu reduzir nos próximos anos, Olavo sublinhou tratar-se de "um aumento muito menor" do que em anos anteriores.
No entanto, o governante apontou como prioridade do Governo a redução do défice orçamental e do peso da dívida.
Estes dados provisórios da economia cabo-verdiana foram apresentados pelo ministro das Finanças durante um encontro com altos responsáveis da administração pública que, segundo ele, passará a ser uma prática habitual do Executivo.

Fonte: Panapress

Notícias

MasterPlan do Turismo da ilha do Sal apresentado em Santa Maria

Açores apoia Cabo Verde na valorização das cadeias de valor agrícolas

FIC “despede-se” da Laginha com balanço positivo