PAICV acusa Governo de aumentar dívida pública de Cabo Verde

O Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV), principal partido da oposição, acusou, sexta-feira, na cidade da Praia, o Governo de ter aumentado a dívida pública do país de 121% para 126% do Produto Interno Bruto (PIB).

Reagindo em conferência de imprensa aos resultados da missão do Fundo Monetário Internacional (FMI) a Cabo Verde, concluída quarta-feira última, o vice-presidente do PAICV, José Veiga, lembrou que, aquando da discussão do Orçamento de Estado no Parlamento, em junho último, o Governo apontava para um endividamento do país na ordem dos 124%, sublinhando que o compromisso era baixar a dívida e não a aumentar.

"O compromisso assumido com os Cabo-verdianos foi de promover a redução da dívida pública (e não promover o seu aumento), com o argumento de que o país estava excessivamente endividado, que a dívida não era sustentável e que isso afetava negativamente a dinâmica económica", precisou.

José Veiga considerou que as conclusões do FMI vieram comprovar a tese, sempre sustentada pelos Governo do PAICV, de que "o endividamento de Cabo Verde foi analisado, planificado e avalizado pelos principais parceiros internacionais".

E sendo concecional, com prazos dilatados de pagamento e baixas taxas de juro, se revelou uma "grande janela de oportunidades para garantir a infraestruturação do país", acrescentou.

Considera que as conclusões da missão do FMI deixaram ainda claro que as estimativas da maioria de crescimento da economia a 7% por ano foram "um expediente eleitoral".

"Depois de ter adotado como uma das suas bandeiras de campanha, o crescimento de 7% do PIB para o ano, de modo a gerar cerca de nove mil empregos, eis que o Governo assumiu ter enganado os Cabo-verdianos", acusou José Veiga.

O vice-presidente do PAICV aludia desta forma às declarações do ministro das Finanças cabo-verdiano, Olavo Correia, que, esta semana, admitiu dificuldades em fazer crescer a economia a esses níveis.

Ao comentar os resultados da missão do FMI, Olavo Correia admitiu dificuldades em pôr a economia cabo-verdiana a crescer em média 7% por ano, mas assegurou que o Governo está a trabalhar para alcançar essa meta.

Contudo, o vice-presidente do maior partido da oposição assinala que "é o próprio FMI que vem alertar os Cabo-verdianos que as projeções de crescimento do país se situarão entre os 3% e os 4% demonstrando que as contas do MpD (partido no poder) estavam e estão erradas".

Ao fazer o balanço no final de duas semanas em Cabo Verde, o chefe da missão do FMI, Ulrich Jacoby, reconheceu que a economia cabo-verdiana começa a dar sinais de recuperação, mas mostrou-se preocupado com a situação financeira das empresas públicas, recomendando urgência numa solução que pare "a drenagem" de recursos do orçamento de Estado.

Alertou, por outro lado, para a importância de reduzir uma dívida pública "muito alta" que, nos últimos anos, combinada com os baixos índices de crescimento económico, "deteriorou consideravelmente os rácios" e aumentou o risco financeiro do país.

O Governo cabo-verdeano é suportado pelo Movimento para a Democracia (MpD), partido vencedor das eleições legislativas de 20 de março último.

Fonte: Panapress

Notícias

Conselho de Ministros aprova lei que institui Zona Económica Especial de Economia Marítima em São Vicente

Missão empresarial de Cabo Verde em Portugal visita Marinha Grande para “aprender com os melhores” em investigação e design industrial

"Batuka". O novo video de Madonna com a Orquestra Batukadeiras

Ginástica Rítmica: Noa Veiga representa Cabo Verde no Mundial de Júniores na Rússia

São Tomé e Príncipe e Cabo Verde celebram acordo de supressão de vistos