Maio: Queijaria Dom João quer elevar qualidade do queijo e conquistar o mercado nacional

A responsável da Queijaria Dom João afirmou que a unidade produtiva quer elevar a qualidade e o bom nome do queijo, lamentando, entretanto, que, por falta de condições, não foi possível ainda conquistar o mercado nacional.

Em declarações à imprensa, Rosalina Cardoso destacou a importância da criação da queijaria, que fica na localidade de Ribeira Dom João, que após o início do seu funcionamento passou a comercializar os seus produtos com etiqueta e embalagem próprias.

No entanto, com a falta das chuvas e de pastos para o gado, a opção, segundo disse, tem sido comprar milho e ração para dar de comer aos animais, e assim garantir que haja leite para a produção de queijos, que diminui nos últimos tempos, com uma média de 20 queijos/dia.

“Com a falta de pastos as vezes temos o constrangimento da falta de ração que complica a situação porque temos que encontrar uma maneira de conseguir alguma coisa para dar de comer aos animais”, disse, mostrando-se esperançosa que as chuvas ainda virão, permitindo assim a unidade produtiva alcançar a meta de produção de cem queijos/dia.

Conforme a mesma fonte, a ambição da Queijaria Dom João desde sempre foi a de alcançar o mercado nacional, indicando, que ainda só foi possível exportar em pouca quantidade para a ilha de Santiago, através de uma parceria com um minimercado no Porto Inglês.

“Neste momento temos uma parceria com uma mercearia na cidade do Porto Inglês que tem exportado o nosso queijo para a cidade da Praia, mas gostaríamos de ter mais condições, contactos e oportunidades para alcançar outros mercados a nível do país”, realçou, destacando a singularidade do referido queijo, cuja produção é feita a partir do coalho natural, que é extraído do estômago de pequenos animais.

Segundo Rosalina Cardoso, a Queijaria Dom João conta neste momento com 16 membros, revelando que a mesma tem todas condições e equipamento para apostar na comercialização do seu produto.

Disse, por outro lado, que por falta de condições não foi possível ainda adquirir as cabras designadas como “raças melhoradas” para aumentar a quantidade de leite e consequentemente a produção de queijos.

Criada para promover a produção local e o cooperativismo, a Queijaria Dom João enquadra-se no Programa de Reforço dos Atores Descentralizados, desenvolvido pelo Instituto Marques Vale de Flor (IMVF) em colaboração com autarquia local.

Fonte: Sapo CV

Notícias

São Vicente vai acolher missão empresarial alemã com foco nas energias renováveis

Santa Catarina: Requalificação da vila de Achada Lém já tem financiamento garantido no âmbito do PRRA

Santo Antão: Doutoramento em Turismo marca o terceiro ano do projecto Raízes

Santo Antão: Artistas ribeira-grandenses cantam em apoio à elevação da morna a Património Imaterial da Humanidade

Ministro José Gonçalves “atento” a uma solução para transporte marítimo entre Santo Antão e São Vicente