Instituto da Macaronésia propõe criar soluções para produção de água através do uso das energias renováveis

O Instituto de Estudos da Macaronésia (IEMAC) propôs hoje a criação de soluções de longo prazo para a produção de água em Cabo Verde, através do uso das energias renováveis em contexto de economia circular.

Para debater essa proposta, o instituto organizou hoje, na Cidade da Praia, o workshop sobre “Consumo de água para uso doméstico e para a agricultura em contexto de seca severa”, num momento em que o país enfrenta um cenário de escassez hídrica.

Segundo a presidente do IEMAC, Fátima Monteiro, o encontro acontece no âmbito do programa de uma missão integrada por investigadores da Universidade de Coventry, do Reino Unido, que estão em Cabo Verde para apresentar o Projecto de Promoção do Acesso, Integridade, Capacitação, Direitos e Resiliência em Água e Saneamento (Pro-Water CV).

Neste sentido, os investigadores que integram o Instituto de Estudos da Macaronésia vão promover a criação de uma força tarefa encarregue de criar soluções de longo prazo, para a produção e utilização de água em Cabo Vede, através do uso das energias renováveis.

“Cabo Verde está a atravessar uma situação bastante crítica em relação a quantidade de água disponível para consumo, seja a nível doméstico, seja para a agricultura, sobretudo, mas é preciso que se encontre uma solução para esta questão, porque a água utilizada tem vindo dos lenções subterrâneos que está a atingir os seus limites”, explicou Fátima Monteiro.

A ideia, precisou a responsável, é propor soluções alternativas para produção de água através das energias renováveis, de modo a permitir a dessalinização de água menos dispendiosa do que tem sido até agora, esclarecendo que a função do IEMAC é ajudar a desenhar um plano que possa permitir ao Governo reformular o plano estratégico para a produção e uso desse líquido.

Fátima Monteiro prevê que, em Setembro, a proposta do plano estratégico esteja pronta para a ser analisada, para a seguir, no início do próximo ano, começar a implementar o projecto.

Em relação ao assunto, José Pedro Duarte Fonseca, investigador do IEMAC, considerou que a melhor solução seria a “acoplar as energias renováveis à dessalinização de água”, mais precisamente a energia das ondas do mar, por ser “muito mais consistente e muito mais intensa, já que existe durante ano inteiro”.

O Instituto de Estudos da Macaronésia foi criado em 2016, e integra investigadores de várias partes do mundo e se dedica à investigação e identificação de soluções para responder aos problemas que se colocam à região da Macaronésia (Açores, Madeira, Canárias e Cabo Verde), nos domínios do ambiente e energia, economia e segurança marítima e cultura e património.

Fonte: InforPress

Notícias

Porto Novo: Museu das Romarias pronto para receber visitas nas próximas festas de São João – ministro da Cultura

Parque Tecnológico derrapa 30% do custo inicial mas vai ajudar a transformar Cabo Verde num “país digital”, garante Governo

Conselho de Ministros aprova lei que institui Zona Económica Especial de Economia Marítima em São Vicente

Missão empresarial de Cabo Verde em Portugal visita Marinha Grande para “aprender com os melhores” em investigação e design industrial

"Batuka". O novo video de Madonna com a Orquestra Batukadeiras