História do carnaval de São Nicolau em exposição

É inaugurada nesta quinta-feira, 28, a exposição Comédia – História e Identidade do Carnaval de São Nicolau, que reúne na Biblioteca Municipal de Ribeira Brava imagens e histórias de uma das festas populares mais celebradas na ilha.

Iniciativa do pelouro da Cultura da Câmara Municipal de Ribeira Brava, o município mais antigo da ilha, a exposição traz fotografias antigas dos festejos do rei Momo na ilha do seminário-liceu e conta a evolução registada ao longo de décadas.

Segundo informações recolhidas pelos organizadores, nos primórdios do século XX já se registavam festejos do carnaval na ilha. A festa foi passando por várias fases, de mascarados a grupos organizados.

“Alguns foliões mascaravam-se e animavam as pessoas que se deslocavam ao centro da vila para se divertirem. Com o tempo começaram a aparecer em grupos organizados”.

Segundo a mesma fonte, em 1952 um desses grupos, de nome Equador, fantasia-se uniformemente com trajes de marinheiros e anima as ruas de Ribeira Brava e Caleijão.

“No estandarte usavam o símbolo do Equador mas, por razões políticas, foram alertados de que não deviam continuar a utilizar tal símbolo”.

Entretanto, os mascarados continuavam a animar as ruas, naquilo que era chamado de Comédia d’Carnaval.

A mostra dará também grande destaque a figuras incontornáveis na história do carnaval da ilha, como José da Luz (1932- 1995) ou Zê da Lus de Nhana Nha Spedje, como era conhecido. Músico, animador e figura de destaque do Grupo Estrela. “Foi, até o ano de 1973, um grande entusiasta e compositor de marchas, sambas e mornas para o Carnaval de S. Nicolau”, diz o texto que irá acompanhar as fotografias.

Outra figura lembrada será Nho Antôn Marinha (António João Almeida /1931 – 2013) que foi “Capitão” do grupo Estrela Azul e grande animador do Carnaval e das Festas de Romaria em São Nicolau. “Figura de destaque e organizador dos desfiles carnavalescos do seu grupo, tendo sido, também, “Rei d’Estrela”. Foi homenageado nas comemorações das Bodas de Ouro do grupo Estrela Azul, em 2014.

Grande entusiasta e precursor da arte carnavalesca em Ribeira Brava, Ferrerinha (Joaquim Duarte Franco Ferreira - 1933 –1979) leva o titulo de “ O artista” e também Carnavalesco. Esta figura lendária do entrudo na ilha de “Chiquinho”, que foi Rei de Carnaval do Grupo Copa Cabana por três anos consecutivos, é também reverenciado na exposição .

“Foi o autor e construtor do primeiro andor (carro alegórico) do Carnaval de São Nicolau, o “Avião” do Copa Cabana. O seu segundo andor, o barco “Patrulha” (em 1973), foi feito no estaleiro do grupo em Maiamona”.

Um mês em festa

Com o slogan “Genuinamente Cabo-Verdiano”, o Carnaval de São Nicolau teve início desde o dia 1 de Fevereiro com a abertura oficial anunciada pela apresentação do programa da festas e por uma batucada que percorreu Ribeira Brava, partindo da Casa das Artes e Cultura rumo ao Terreiro.

Em meados de Fevereiro, segundo a página cultural Ribeira Brava, a azáfama nos estaleiros dos grupos de carnaval era intensa e a construção dos andores encontrava-se já na fase de acabamentos com o “zmebôd” (nome dado à cola feita de farinha de trigo e água) como “rei dos estaleiros”.

Por essa altura (dia 16), desfilou o grupo Tchã d’Norte enquanto que um conjunto de músicos do carnaval viajava de Ribeira Brava à ilha do Sal para participar do Carnaval d’Saniclau na Djad’Sal, evento promovido por jovens sanicolaenses residentes na ilha do Sal.

No Sábado (dia 23) houve desfile de Trio Eléctrico e Bateria dos alunos do Liceu Baltasar Lopes da Silva. No Domingo foi a vez da romaria ao aeroporto para a receção dos Reinados (com presença dos reis do carnaval). Depois da inauguração da exposição nesta quinta-feira, sexta-feira (1 de Março) será animada pelos desfiles das escolas e jardins infantis da ilha.

Segundo é tradição no carnaval de São Nicolau, os grupos oficiais desfilam nas noites de Sábado e Domingo e na Terça-feira. Marcam presença os grupos mais antigos, como o Copa Cabana e Estrela Azul.

Mas a segunda-feira véspera de carnaval não fica sem festa. É a vez dos grupos de animação Tcha Contsê e Metê-Metê levarem a folia às ruas da ilha. Os festejos só acabam no sábado, dia 9, com o desfile de enterro do carnaval.

O carnaval é pretexto para convidar turistas e visitantes estrangeiros ou de outras ilhas a apreciar outras atrações de São Nicolau. Como a gastronomia, que inclui o célebre “modje d’capod”, com xerém ou farinha de pau, o peixe seco, tudo regado com o bom grogue da ilha.

Há duas das Maravilhas de Cabo Verde para visitar na ilha: o Parque Natural de Monte Gordo e as formações rochosas de Carbeirinho. Outra referência é o roteiro Caminhos de Chiquinho, baseado na obra-prima de Baltasar Lopes da Silva. O “bodje d’rabeca”, um baile tradicional ao som de violinos, é também uma típica experiência sãonicolauense a não perder.

Fonte: Expresso das Ilhas

Notícias

Porto Novo: Museu das Romarias pronto para receber visitas nas próximas festas de São João – ministro da Cultura

Parque Tecnológico derrapa 30% do custo inicial mas vai ajudar a transformar Cabo Verde num “país digital”, garante Governo

Conselho de Ministros aprova lei que institui Zona Económica Especial de Economia Marítima em São Vicente

Missão empresarial de Cabo Verde em Portugal visita Marinha Grande para “aprender com os melhores” em investigação e design industrial

"Batuka". O novo video de Madonna com a Orquestra Batukadeiras