Cabo-verdiana Cristina Duarte integra Comissão de Reforma da UA

A ex-ministra cabo-verdiana das Finanças, Cristina Duarte, é um dos especialistas propostos pelo Presidente do Rwanda, Paul Kagame, para integrarem um grupo que vai trabalhar no processo de reforma da União Africana (UA), apurou a PANA segunda-feira de fonte bem informada.

A Cabo-verdiana Cristina Duarte, 54 anos de idade, formada em Economia pela Universidade Técnica de Lisboa, em Portugal, foi ministra das Finanças do seu país entre 2006 e 2016, nos Governos do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV), então partido no poder, liderados pelo então primeiro-ministro, José Maria Neves.

Cristina Duarte, no início dos anos 1990 foi viver nos Estados Unidos e especializou-se em Finanças Internacionais e Mercados de Capitais Emergentes, tendo granjeado uma experiência profissional diversificada.

Ela exerceu as funções de diretora-geral do Gabinete de Estudos e Planeamento do Ministério cabo-verdiano do Desenvolvimento Rural, consultora da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO), do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e do Banco Mundial.

No setor privado, ela trabalhou com o vice-presidente do Citigroup/Citibank em Angola.

Em 2014, foi considerada pela Revista Financial Afrik como uma das 100 pessoas mais influentes em África, tendo sido, em 2015, a primeira mulher candidata à presidência do BAD, lugar que veio a ser ocupado por Akinwumi Adesina da Nigéria.

Nas últimas semanas, o nome de Cristina Duarte tem vindo a ser apontado para as funções de consultora do novo ministro das Finanças de Angola, Augusto Archer Mangueira.

O chefe de Estado rwandês, designado para presidir à Comissão de Reforma da UA, durante a 27ª Cimeira da UA realizada em Kigali, capital rwandesa, em julho último, chefia uma equipa composta por cinco homens e quatro mulheres, com experiência comprovada em mais diversas áreas e setores público e privado dos seus países.

Fazem parte desta Comissão de Especialistas o Bissau-guineense Carlos Lopes, ex-secretário executivo da Comissão Económica para a África das Nações Unidas; Donald Kaberuka, ex-presidente do Banco Africano de Desenvolvimento (BAD) e atual ministro das Finanças do Rwanda; e Strive Masiyiwa, empresário zimbabweano residente em Londres, na Grã-Bretanha.

Da lista constam ainda os nomes de Tito Mboweni, ex-governador do Banco de Reservas Cambiais da África do Sul; Amina J. Mohammed, ministra do Meio Ambiente da Nigéria; Mariam Mahamat Nour, ministra da Economia, Planeamento e Cooperação Internacional do Tchad; e Vera Songwe, diretora regional para a África Ocidental e Central da International Finance Corporation, uma filial do Banco Mundial.

Segundo um comunicado da UA, citado pelo jornal New Times do Rwanda, o objetivo da Comissão é transformar a União Africana numa instituição mais eficaz e autossuficiente até 2018.

Neste sentido, a equipa liderada pelo Presidente Kagame terá de até à próxima cimeira da UA agendada para 28 de janeiro de 2017, apresentar um relatório com propostas a serem definidas por estes especialistas para o futuro da organização pan-africana.

Fonte: Panapress

Notícias

Porto Novo: Museu das Romarias pronto para receber visitas nas próximas festas de São João – ministro da Cultura

Parque Tecnológico derrapa 30% do custo inicial mas vai ajudar a transformar Cabo Verde num “país digital”, garante Governo

Conselho de Ministros aprova lei que institui Zona Económica Especial de Economia Marítima em São Vicente

Missão empresarial de Cabo Verde em Portugal visita Marinha Grande para “aprender com os melhores” em investigação e design industrial

"Batuka". O novo video de Madonna com a Orquestra Batukadeiras