Autárquicas 2016. Rescaldo das Eleições Autárquicas 2016

Basta, o símbolo da coragem
O movimento Basta de José Luís “Djaiss” Santos, na Boa Vista, foi o símbolo da coragem das eleições autárquicas de 4 de Setembro. Lutou e derrotou os candidatos dos dois partidos do arco do poder – MpD e PAICV. A sua primeira vitória foi no campo da batalha judicial: o Tribunal Constitucional deu-lhe razão e invalidou a decisão do Tribunal da Comarca, que tinha recusado aceitar a sua lista de candidatura. Entra para a história ao conquistar a Câmara local, pondo assim termo aos 16 anos de gestão autoritária do ex-Edil José Pinto Almeida. A dupla constituída por Djaiss (Câmara) e Péricles Barros (Assembleia) tem agora a trabalhosa missão de protagonizar mudanças para levar o progresso que almejam os habitantes da ilha.
GIR, a revelação
O Grupo Independente Ribeira Brava, Um Município Renovado de Pedro Morais “Ped Chia” foi a grande revelação destas eleições. Nasceu de uma ruptura com o MpD devido à escolha atabalhoada do candidato do partido na Ribeira Brava. O seu líder, Pedro Morais, entregou o cartão de militante após negociações inconclusivas com os ventoinhas e lançou-se numa corrida que agora se revela triunfante – superou o próprio MpD que esteve por trás da sua génese e o PAICV que estava na câmara. Entretanto, vai ter que sacar da sua capacidade de negociação para viabilizar a gestão da Câmara da Ribeira Brava, que pela primeira vez será tripartida. O GIR conseguiu eleger cinco deputados para a Assembleia e dois vereadores para a Câmara, contra o MpD, liderado por Osvaldo Fonseca, que elegeu quatro deputados para a AM e dois vereadores para a CM. O PAICV aparece como o fiel da balança alcançando apenas quatro deputados para a AM e um vereador para a CM. Os casos da Boa Vista e de São Nicolau devem ser analisados de forma ponderada pela Direcção Nacional do MpD, pois tudo indica que na escolha dos candidatos, o partido deve levar em conta todos os disponíveis ou candidatáveis dando-lhes igual oportunidades para se posicionarem, sem discriminação ou ameaças, conforme referiu um militante.
Vitórias históricas
As vitórias mais emblemáticas registadas nestas autárquicas aconteceram no Fogo. O ventoinha Jorge Nogueira conseguiu, depois de quatro tentativas frustradas, eleger-se presidente da Câmara de S. Filipe. O seu colega Alberto Nunes, que concorreu pela segunda vez, chegou também ao cadeirão dos Paços do Concelho de Santa Catarina. Com esses resultados, o MpD conseguiu desalojar o PAICV dos dois concelhos do Fogo. Uma vitória histórica na ilha que até antes das legislativas de 20 de Março era tida como bastião daquele partido. A divisão da base do PAICV entre Eugénio Veiga e Luís Pires facilitou a vida ao MpD.
UCS e abstenção vencem
Com os 18 presidentes de Câmaras eleitos, o líder do MpD foi o grande vencedor das autárquicas de 4 de Setembro. Ulisses Correia e Silva reforçou a sua liderança investindo forte como protagonista, ao figurar em primeiro plano nos cartazes de todos os candidatos. A abstenção foi a outra grande vencedora do pleito do último domingo. É que 41,7% dos eleitores (131.019), o correspondente a quase metade dos recenseados, não foram votar. O mais grave aconteceu na capital, onde mais de metade dos eleitores – 56.5 %, ou seja 45.303 – ficou em casa. Os cientistas sociais precisam de estudar esse fenómeno, que pode configurar algum desinteresse da população pela política.
A derrotada
A líder do PAICV, Janira Hopffer Almada, é a derrotada das eleições municipais. O partido tambarina teve o seu pior resultado de sempre ao baixar de oito para apenas duas câmaras. O MpD conseguiu roubar-lhe seis Câmaras de uma assentada – o golpe mais duro aconteceu com a derrota na Câmara Municipal de São Filipe e Santa Catarina do Fogo. Janira Hopffer Almada teve a infelicidade de herdar um partido com uma imagem desgastada, a divisão interna que a liderança de José Maria Neves criou, aliada a uma forte oposição de destacados dirigentes do partido, muitos deles com relevância no sistema PAICV. JHA foi sensata ao pôr o seu cargo à disposição.
Autarcas sobreviventes
Carlos Fernandinho Teixeira (Mosteiros) e Carlos Alberto Silva (Santa Cruz) foram os únicos dos oito presidentes de Câmaras do PAICV que escaparam ao terramoto político do último domingo que arrasou a base autárquica do partido. Sobreviventes apesar das investidas do MpD, principalmente nos Mosteiros onde actos de vandalismo tiveram lugar no restaurante do pai do cabeça de lista à Assembleia, os dois autarcas resistiram e venceram.
Divisionistas de saída
Os resultados eleitorais das autárquicas ditaram a morte política dos dois principais responsáveis pela divisão da base do PAICV no Fogo. São eles, Eugénio Veiga e Luís Pires, ambos ex-presidentes da Câmara Municipal de S. Filipe. Numa disputa em que o ego pessoal falou mais alto, ambos chegaram a entregar o cartão de militante para poderem concorrer como independentes. Violaram o estatuto do partido, desrespeitaram as decisões democráticas dos órgãos da direcção, são os responsáveis pela primeira derrota histórica do PAICV na cidade dos Sobrados. Mas nem um nem outro reconhecem o estrago que causaram ao partido.
Pregador do deserto
Foi como pregar no deserto. O apelo dos académicos e retomado pelo ex-primeiro-ministro José Maria Neves, para não se colocar todos os ovos (votos) no mesmo cesto, não passou. Os resultados eleitorais provisórios mostram que aconteceu precisamente o contrário. Os cabo-verdianos votaram massivamente nos candidatos do MpD. Como consequência, temos agora um partido hegemónico no país – tem a maioria parlamentar de 40 deputados, 18 câmaras municipais e um PR da sua cor política.
Recordista chorão
O presidente da UCID saiu, pela quinta vez consecutiva, derrotado das eleições autárquicas no Mindelo. António Monteiro bateu o recorde de candidatos com mais derrotas. Já levou o K.O. de Onésimo Silveira, o de Isaura Gomes e um duplo de Augusto Neves. Por ter investido muito no pleito de 4 de Setembro, Monteiro saiu que nem um bebé chorão, contestando «a baixa política» do reeleito Edil ventoinha Augusto Neves, com o qual a UCID tem viabilizado, nos últimos oito anos, a governação de São Vicente.
Rosa Rocha derrota-se a si mesma
Depois de um jejum de quatro anos, o MpD volta a governar Porto Novo. Aníbal Fonseca recuperou a Câmara Municipal que estava nas mãos de Rosa Rocha do PAICV. A vitória do MpD, segundo críticos do partido tambarina, está ligada ao período conturbado que o PAICV atravessa por causa das disputas internas, que decorrem na liderança nacional e na Comissão Política Regional. Rosa foi uma das embaixadoras de Janira Hopffer Almada durante a eleição interna e também disputou a liderança regional com o deputado Carlos Delgado. É criticada ainda por seus pares devido ao seu mau relacionamento com os munícipes e com os próprios militantes do PAICV, facto que levou muitos apoiantes a envolverem-se na campanha eleitoral contra a sua reeleição. Na verdade, muitos dizem que Rosa derrotou-se a si mesma, porque fez um mandato de “portas fechadas”, embora o seu exercício deixe obras no centro da cidade, que poderiam contribuir para a sua reeleição. Aliás, uma análise aos dados com ponderação permite concluir que Rosa foi derrotada pela população do interior do concelho, que sempre a acusou de ser uma presidente ausente nessas localidades.

Fonte: A Semana

Notícias

Conselho de Ministros aprova lei que institui Zona Económica Especial de Economia Marítima em São Vicente

Missão empresarial de Cabo Verde em Portugal visita Marinha Grande para “aprender com os melhores” em investigação e design industrial

"Batuka". O novo video de Madonna com a Orquestra Batukadeiras

Ginástica Rítmica: Noa Veiga representa Cabo Verde no Mundial de Júniores na Rússia

São Tomé e Príncipe e Cabo Verde celebram acordo de supressão de vistos